Gestãodadistribuição parte01

  Síntese da vida profissional Síntese da vida profissional Prof. Ivan Arenque Passos Prof. Ivan Arenque Passos

  • Ivan Arenque Passos, casado, 40 anos, Bacharel em Administração em Comércio Exterior – UNIP/SP, MBA marketing – FGV/ES, Administração Estratégica – University Central Florida EUA, Mestrando Administração Estratégica. Membro do Programa de Administração de Varejo da Fundação Instituto de Administração (FIA- USP) – Coordenador Pós-Marketing (FESV)
    • – Coordenador Acadêmico (GBS- IBMEC) – Consultor (MKTPASSOS)

  • Esteve trabalhando nas seguintes empresas:
  • Consultoria e treinamento em Adm. E Marketing – MKTPASSOS Se

  especializou nas áreas:

  • Gestão da Qualidade Total, Marketing Varejo, Produto, Serviços, Pessoal,

  Prof. Ivan Passos Social e Cultural e Administração. www.mktpassos.com mktpassos@gmail.com

  Prof. Ivan Passos – mktpassos@gmail.com – www.mktpassos.com Ementa Ementa Ç

  A disciplina Gestão da Distribuição constitui-se de um conjunto de saberes gerenciais, envolvendo abordagens cognitivas sobre o atendimento aos ! " clientes de diferentes camadas a custo, quantidade, pontualidade adequada, # ! $ visando e satisfação do consumidor. % $ Identificar atividades específicas de Distribuição Física através dos atributos inerentes aos seus subsistemas & ' ( ) * ! ( Estabelecer relação sinérgica entre os mercados fornecedor e seus contextos &

  • + específicos (fornecedor – empresa - cliente)
  • & . - , Utilizar os predicados da tecnologia da informação em conjunto aos principais . elementos nas operações na Gestão da Distribuição
    • - / Explicitar as diferentes metodologias usuais para qualificar o fluxo físico de & ' - + material na condição de produtos e de mercadorias, bem como daqueles de natureza virtual no sentido de fazer cumprir os objetivos operacionais das
    • 1 organizações.

      DISTRIBUIđấO FễSICA GESTấO DA DISTRIBUIđấO

      A área da distribuição física trata da movimentação de produtos acabados ou semi-acabados para entrega aos clientes,

      Introdução

      ou seja, com mercadorias que a companhia oferece e que não planeja executar processamento posteriores. 6 DISTRIBUIđấO FễSICA

      Existem dois tipos de mercados (público) para

      DISTRIBUIđấO FễSICA os quais se deve planejar.

      2. Intermediários- que não consomem o

    1. Usuário finais- são aqueles que usam o

      produto, mas que o oferecem para produto tanto para satisfazer suas revenda, em geral para outros

      necessidades como aqueles que criam intermediários ou consumidores finais. novos produtos, que é o caso dos

      consumidores industriais. Os consumidores Ex: distribuidores, varejistas. finais também podem ser companhia que, por sua vez vendem os seus produtos aos seus 7 clientes. 8 Ex: produto - chip para celular. DISTRIBUIđấO FễSICA

      A diferença primordial entre estas categorias de compradores está no volume e no perfil de compra. Consumidores finais comumente adquirem pequenas quantidades e são em grande número (quando pessoa física). Suas compras são mais freqüentes do que aquelas feitas pelos intermediários. 9 Consumidor industrial Consumidor final

      DISTRIBUIđấO FễSICA

      10 DISTRIBUIđấO FễSICA Muitas configurações estratégicas diferentes de distribuição podem ser empregadas. Há três formas básicas:

      Entrega direta a partir de estoques de fabrica; Entrega direta a partir de vendedores; Entrega feita utilizando um sistema de depósitos. Quando clientes adquirem bens em quantidade suficiente para lotar um veículo (lote mínimo de compra) as entregas podem ser feitas diretamente a partir dos vendedores ou dos estoques de fábrica. 11 DISTRIBUIđấO FễSICA

      A administração da distribuição física é tarefa desenvolvida em três níveis:

      1. Estratégico - Decidir de modo geral qual deve

      ser a configuração global do sistema de distribuição.

      Localização dos armazéns; Seleção dos modos ou modais de transporte; Projeto do sistema de processamento de pedidos.

      O planejamento estratégico molda o sistema de distribuição nos seus termos mais gerais. 12

      DISTRIBUIđấO FễSICA

      3. Operacional DISTRIBUIđấO FễSICA

      Refere-se às tarefas diárias que o gerente de distribuição e sua equipe devem desempenhar para

    2. Tático

      garantir que os produtos fluam através do canal de

      É sob muitos aspectos, planejamento de

      distribuição até o último cliente. Isto inclui

      médio prazo. Fase de investimentos para

      atividades como recolher produtos dos estoques

      viabilizar o sistema de distribuição, como por

      armazenados, carregar caminhões para entrega,

      exemplo aquisição de: caminhões, armazéns, embalar produtos para carregamento, manter

      registros dos níveis de inventário, preparar pedidos

      dispositivos para transmissão de pedidos ou para ressuprimento de estoques etc. equipamento de manuseio.

      O foco deste aspecto da administração da distribuição é principalmente supervisão e 14 13 realização das tarefas.

      Pirâmide Logística DISTRIBUIđấO FễSICA

    • -Estrutura do Canal ESTRATÉGICO ESTRATÉGICO -Estratégia de Rede -Políticas e Procedimentos

      Perguntas que ajudam na definição do sistema de distribuição:

      TÁTICO OU TÁTICO OU Armazenagem, Projeto e Operações ESTRUTURAL ESTRUTURAL Gestão de Transportes

      1. Estratégico – como deve ser nosso sistema de Gestão de Materiais distribuição?

      2. Tático – como o sistema de distribuição pode ser Atualizar sistema de Informação FUNCIONAL OU FUNCIONAL OU Controlar estoques utilizado da melhor maneira possível?

      OPERACIONAL OPERACIONAL Manter cronograma de entregas 3.

      Operacional – Vamos fazer as mercadorias sair! 15 16 Filme Airbus

      17 Case Airbus Questões para discussão:

      1. Identificando o nível estratégico, quais as opções de transporte foram analisadas nesta fase?, quanto tempo de planejamento foi utilizado?

      2. Quais foram as características da fase estrutural ou tática mencionadas no vídeo?

      3. Quais os imprevistos encontrados na fase operacional?

      4. Quais os pontos positivos e negativos da cadeia logística da Airbus? 18 Canais de distribuição

      É uma rede (sistema) organizada de instituições que executam todas as funções necessárias para ligar os produtores aos consumidores finais.

      Existem para facilitar o acesso dos produtos ou serviços aos seus consumidores. 19 Canais de distribuição

      Por que a maioria dos fabricantes preferem colocar intermediários no processo de comercialização e não fazem todo o ciclo sozinhos?

      20 Canais de distribuição Canais de distribuição

      Os fabricantes não realizam o ciclo Os grandes varejistas poderiam, por completo de comercialização - eles exemplo, fabricar os produtos que incluem intermediários (Distribuidores, comercializam. Porém, por se tratar de

      Atacadistas, Representantes etc.) para uma grande quantidade de produtos, seria complementar este ciclo, fazendo com necessário o aporte de grande quantidade que seja possível o produto sair do de recursos financeiros, além de forçar a ambiente fabril e alcançar os empresa a atuar fora do seu negócio consumidores da melhor forma possível. 21 principal; 22 Canais de distribuição

      Canais de distribuição

      Em outra situação os Fabricantes Alguns fabricantes administram e operam poderiam realizar todas as funções do toda a cadeia comercial de seus produtos canal, inclusive as vendas no varejo. A e montam estruturas magníficas, apoiam questão é, seria economicamente suas estratégias de distribuição em uma produtivo, também não estaria fugindo estrutura própria de lojas (lançando mão do seu negócio principal? dos sistemas de franquia), mas não desprezam outros Canais de Distribuição como a venda direta por representantes.

      Ex: Coca-cola x Produtos eletrônicos. 23 24 Ex: Benetton, Boticário. Canais de distribuição Objetivos

      Fatores que determinam as estratégias de Os objetivos dos canais de cada empresa escolha do canal: dependem da forma como esta empresa deseja atuar. Devem ser atendidos os seguintes

      Natureza do produto; objetivos: Ex: perecível, exclusivo.

      Garantir a rápida disponibilidade do produto nos

      Grau de controle desejado;

      segmentos de mercado identificados como prioritários; Ex: caro, confidencial.

      Intensificar ao máximo o potencial de vendas do Imagem esperada. produto; Ex: interesse social, certificações. 25 26 Canais verticais

      Canais de distribuição

      São aqueles em que um elo da cadeia de suprimento abastece o elo seguinte, Garantir o nível de serviço pré-estabelecido transferindo também a responsabilidade pelo pelos parceiros da cadeia; produto;

      Garantir um fluxo de informações rápido e É a forma tradicional de operar os canais; preciso entre os elementos participantes; Serviços de pós-venda são realizados diretamente pelo varejista quando solicitados

      Buscar, de forma integrada e permanente, a pelos clientes. Desta forma, somente o varejista redução de custos, analisando a cadeia como possui informações do mercado (tem contato um todo; 27 com o cliente); 28 Canais Verticais Canais híbridos

      Divide as atividades de comercialização entre vários agentes, até que o produto chegue ao consumidor final. A indústria fabrica o produto, os representantes comerciais comercializam o produto, os atacadistas estocam e vendem aos varejos que comercializam junto ao consumidor final; Ex. Coca-Cola e Nestlé formam uma Joint Venture para comercializar café e chá prontos para o mundo. A Coca- Cola oferece sua experiência de MKT e distribuição e a Nestlé contribui com os dois nomes de marca estabelecidos – Nescafé e Nestea. 30 Canais Híbridos

      Canais múltiplos Uma forma de melhorar o gerenciamento da cadeia de suprimentos é utilizar mais de um canal de distribuição; Por exemplo, quando o consumidor pode comprar o produto direto do fabricante ou em uma loja de varejo; Ex. Dell; Pode apresentar o problema de concorrência entre os canais, sendo prejudicado aquele que vender mais caro, porém, oferecendo melhores serviços; Ex. Ir à loja fisicamente existente e ver, testar e obter todas as informações sobre o produto e voltar e comprar na Internet. 32

      Administrando os canais de Administrando os canais de distribuição: distribuição:

      Para se colocar um produto no mercado da

      3. Divulgar informações sobre o produto aos

      forma mais competitiva possível, alguns passos consumidores finais (tecnologia, aspectos devem ser seguidos: ecológicos, etc.);

    1. Identificar segmentos homogêneos de clientes;

      4. Customização do produto de acordo com cada

      região (restrições culturais/religiosas, 2. Agrupar clientes finais com necessidades e restrições ambientais, etc.); preferências semelhantes nos mesmos canais;

      Ex. Consumidores finais adquirindo gasolina sempre no mesmo posto. 33

      5. Tamanho do lote, de acordo com os custos de 34

      aquisição, manuseio, estocagem, etc.;

      Administrando os canais de Administrando os canais de distribuição: distribuição:

      6. Variedade de produtos; 9.

      Confrontar os aspectos do projeto do

      Ex. Aparelhos eletrônicos de 110 e 220V;

      canal com os praticados pelos concorrentes, analisando o nível de satisfação dos consumidores;

      7. Disponibilidade, de acordo com o nível de

      exigência do mercado consumidor e do nível de concorrência; (diferentes cores, modelos,

      tamanhos, etc.);

      10. Custos e benefícios

      Ex. Comissões dos representantes, monitoração;

      8. Serviços pós-venda tais como: instalação,

      manutenção, etc.; 11. 35 Analisar investimentos previstos e o 36 retorno esperado;

      Componentes do sistema de Componentes do sistema de distribuição distribuição

      A distribuição física é realizada com a participação Veículos para fazer o deslocamento espacial dos seguintes componentes: dos produtos: Podem ser utilizados veículos maiores para abastecer distribuidores ou

      Instalações físicas (centros de distribuição, para grandes entregas em varejistas ou armazéns, etc.): São os espaços destinados a veículos menores para pequenos varejistas; abrigar as mercadorias até que sejam transferidas

      Informações como cadastro dos clientes, para as lojas ou para o consumidor final; quantidades de produtos a serem entregues, roteiros a serem seguidos, etc;

      Estoques de produtos ao longo de toda a cadeia; 37 Pessoal devidamente capacitado e treinado. 38 Gestão da distribuição

      Vídeo Trabalho em dupla:

      Atacadista Martins Escolha um produto ou serviço, inclua dados sobre os 3 níveis de distribuição e dos diversos agentes envolvidos na cadeia logística; Defina os canais de distribuição e explique sua escolha.

      Crie pelo menos dois problemas e solucione- 39 os. 40 Roteiro

      Apresentação: Pessoas, Avaliação, faltas; O administrador; Disciplina, ementa, bibliografia; Visita técnica. 41 42 Logística

      2. Movimentação de Materiais: Segmentação em 3 grandes áreas:

      Transporte eficiente de produtos acabados do

    1. Administração de materiais:

      final de linha de produção até o Que é o conjunto de operações associadas ao atacadista/distribuidor; sendo que fazem parte o fluxo de materiais e informações, desde a fonte

      PCP (Planejamento e Controle da Produção), de matéria-prima até a entrada na fábrica; em Estocagem em processo e Embalagem. resumo é “disponibilizar para produção”; sendo que participam desta área os setores de : Suprimentos, Transportes, Armazenagem e Planejamento e Controle de Estoques. 43 44

    3. Distribuição física:

      Que é o conjunto de operações associadas à transferência dos bens (produto) desde o local de sua produção até o local designado no destino e no fluxo de informação associado, devendo garantir que os bens cheguem ao destino em boas, oportunamente e a preços competitivos; em resumo é “tirar da produção e fazer chegar ao cliente”. Participam os setores de Planejamento dos Recursos da Distribuição, Armazenagem, Transportes e Processamento de Pedido. 45 Formulação da Estratégia LOGÍSTICA

      Distribuição Logística Logística Integrada Suporte de Logística Integrada Logística Total 46 Rodoviário 60% 30% 200 Ferroviário 21% 40% 1000 Hidroviário 1% 12% > 1000 Cabotagem 11% (2) 2% > 2000

      Modal Matriz Brasileira Matriz dos países desenvolvidos

      Distâncias competitivas (Km) Outros (1) 7% 16%

    • - (1) outros – dutoviário e aéreo. (2) inclui transporte de minério de ferro e combustível. Fonte: Geipot/Revista Panorama Rural (2000)
    • 47 Transporte Rodoviário de Cargas

        Brasil 60% Austrália 30% Estados Unidos 28% China 19%

        Considerando os custos dos EUA os custos de TRC é 3,5 vezes maior que o ferroviário, 6 vezes maior que dutoviário e 9 vezes maior que o fluvial.

        Considerando apenas a migração do TRC para ferroviário podemos estimar uma economia de 1 US$ bilhão/ano. 48

        GESTấO DA DISTRIBUIđấO Resposta Eficiente ao Consumidor

        50 Formulação da Estratégia LOGÍSTICA

        Supply Chain Management – 70´s Distribuição Logística Fornecedores Manufatura Distribuição Centro de Loja Consumidores da Distribuição Logística Manufatura de Varejo Integrada

        Suporte de Soluções típicas Logística Integrada

        Aumentar os estoques Logística

        Aumentar tempos de entrega Total 51 Ênfase em multas e encargos 52

        Soluções Construir interfaces Principios do EDI Melhorias em direção ao exterior

        Supply Chain Management

        Distribuição Manufatura da Distribuição de Varejo 80/90’s

        53 Soluções

        Revisão de Processos Planejamento de alianças Produto correto, no local correto, no tempo certo

        Supply Chain Management Futuro - 199x e adiante ....

        Manufatura Distribuição Manufatura da Distribuição de Varejo Loja Consumidores Fornecedores

        54 Definição Moderna de Logistica

      MODELO DE SISTEMA LOGISTICO INTEGRADO

        “ SCM - É a integração dos processos industriais e comerciais , partindo do consumidor final e indo até os fornecedores iniciais,gerando produtos , serviços e informações que agreguem valor para o cliente ” 55 TRANSPORTES TRANSPORTES ARMAZENAGEM & ARMAZENAGEM & MANUSEIO MANUSEIO PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE PEDIDOS DE PEDIDOS CONTROLE CONTROLE DE ESTOQUES DE ESTOQUES PRODUđấO & PRODUđấO & COMPRAS COMPRAS NÍVEL NÍVEL DE SERVIÇO DE SERVIÇO

        56

      • % 7 ) "6 %
        • Tecnologia de Informação
        • Hardware • Software
        • Globalização
        • Aumento das incertezas econômicas
        • Proliferação de produtos
        • Menores ciclos de vida de produtos
        • Maiores exigências de serviços

        ! " # $ % & '( ) & (* & + +%+ ( , %(- & ) + .$ /0 , ( 1 2 & (

      • Otimização do projeto de sistema logístico
      • Gestão integrada dos diversos componentes logísticos
      • Otimização do projeto de sistema logístico
      • Gestão integrada dos diversos componentes logíst
      • Transforma a logística em uma atividade estratégica, uma ferramenta gerencial, uma fonte potencial de vantagem competitiva
      • Transforma a logística em uma atividade estratégica, uma ferramenta gerencial, uma fonte potencial de vantagem competitiva

        & (* ) +$34 # ( 5 & ( , & ( & (* ) 6 ) + %3 (

        8 % 4 % 9 %

        57 LOGÍSTICA: CONCEITO GERENCIAL

        MUDANÇAS TECNOLÓGICAS

        MUDANÇAS ECONÔMICAS

        LOGÍSTICA: moderno conceito gerencial LOGÍSTICA: moderno conceito gerencial 58 ECR (Efficient Consumer Response)

        Resposta Eficiente ao Consumidor ou Abastecimento contínuo eficiente

        É uma iniciativa conjunta entre varejo e produção com a finalidade de otimizar e sincronizar a cadeia logística desde o produtor até o consumidor final.

        Esse conceito nasceu de um relacionamento entre a Procte & Gamble e o Wall Mart. 59 ECR (Efficient Consumer Response) Consiste em entregar os produtos certos, no lugar certo, no tempo e na quantidade certa, a partir da demanda do consumidor.

        Tem a função de criar um fluxo com lotes menores porém frequentes, que permita a redução do custo de estocagem e a diminuição do tempo de entrega. 60

        (Efficient Consumer Response) ECR

        VANTAGENS (Efficient Consumer Response)

        ECR Sincronia na cadeia de distribuição;

        OBJETIVO Pontos exatos de reabastecimento- Quantidade e momento;

        Coordenar as trocas de

        Minoração de superdimensionamento dos estoques;

        informações entre indústria

        Obter mix de produtos adequados para cada

        e varejo;

        unidade de negócio; Mensurar o comportamento de cada região;

        Informa as demandas em

        Melhor dimensionamento dos estoques;

        tempo real nos PDV’s (Pontos de Vendas). 61 Bons níveis de serviços com baixos níveis de 62 inventários;

        (Efficient Consumer Response) (Efficient Consumer Response)

        ECR ECR

        VANTAGENS

        Quanto a cadeia de abastecimento:

        Puxando os produtos (pelos consumidores) ao Redução das perdas principalmente de produtos invés de empurrá-los (pela manufatura); perecíveis;

        Otimização no transporte de carga;

        Quanto a tecnologia: Compartilhamento intensivo de informações entre Uso de EDI ou internet, código de barras, etc.

        fabricante e varejista; Melhoria nos tempos de respostas para as Quanto as empresas: variações de demandas;

        Obter sincronismo entre o consumo e a reposição, como diferencial estratégico para Compreensão das sazonalidades. 63 64 redução de custos e de tempo. Reposição Contínua

        Os estágios da Reposição Contínua são: Determinar o pedido de cada produto, baseado nos dados de vendas obtidos das caixas registradoras; Processar os pedidos nos centros de distribuição; Movimentar os produtos do centro de distribuição para o ponto de consumo. 65 Como o ECR funciona

        Integração por EDI ou Internet

        66 Filme Supermercado do futuro, projeto.

        Supermercado do futuro, real.

        67 Questões para discussão Quais situações vistas no filme que já são realidade em nosso dia a dia? Quais as principais vantagens do modelo (supermercado do futuro) evidenciadas no vídeo? 68

        Os 6 componentes da gestão Gestão por categoria por categoria 1.

        Estratégias É um processo cooperativo entre o

        Os processos deixam de ser orientados a produtos mudando para categorias de produtos;

        fabricante e os canais distribuidores, e tem

        por finalidade gerenciar categorias de produtos como se estas fossem unidades

        Ex: faixa etária, localização, faixa de renda, tamanho da empresa .

        2. Processos empresariais estratégicas de negócio.

        Todos os recursos (humanos, materiais, TI, etc) são voltados para o novo modelo de gestão;

        O gerente de categoria é responsável pelas

        3. Relações colaborativas

        decisões sobre o grupo de produtos, níveis

        Cooperação plena entre as empresas envolvidas na

        de estoques, promoções e compras,

        cadeia de valor. (relação ganha-ganha)

        administrando todo o fluxo como um único 69 70 processo.

        Os 6 componentes da gestão Cadeia de abastecimento x Gestão por categoria por categoria

        4. Tecnologia da informação É imprescindível um sistema de informação Modelo Antigo confiável, com aplicação para diversas áreas.

        Fornecedor Atacado Varejo Consumidores (vendas, pedidos, abastecimento,etc);

        5. Indicadores de desempenho Serve de monitoramento e avaliação dos resultados do processo.

        Modelo Novo 6.

        Competências empresariais

        Fornecedor Consumidores É o desenvolvimento de uma estrutura

        Atacado Varejo organizacional apropriada para o pleno funcionamento do sistema. 71 72 Administrando o Sortimento de produtos e serviços

        Corresponde a uma metodologia para identificar o número ideal de produtos ocupando o menor espaço possível, atingindo a satisfação do cliente.

        Ex: Exposição de marcas diferentes de um mesmo produto.

        É importante buscar o equilíbrio entre a satisfação do cliente e a lucratividade da empresa. 73 Otimizando o Sortimento

        Principais benefícios:

        Identificação das necessidades do consumidor; Maior interação com as organizações da cadeia logística; Identificação dos produtos mais lucrativos; Diminuição dos custos de armazenagem; Aumento no giro dos produtos e na lucratividade. 74 Promoções e descontos

        São basicamente 3 técnicas principais: 1.

        Propaganda; Seu objetivo é atingir o consumidor de forma ampla ou segmentada, por meio da comunicação realizada em televisão, rádio, internet, jornais...

        Se aplica por meio da realização de ofertas especiais que acompanham o produto, como cupons ou outros produtos.

        Ex: Detergente acompanhado de sabonete, cartão de crédito- resgate de prêmios. 75 Promoções e descontos

        3. Ações de promoção direcionadas ao comércio; São promoções realizadas entre as organizações que compõem a cadeia logística, e que não afetam diretamente o consumidor. Ex: Desconto para compras em grandes quantidades. 76

      2. Ações de promoção diretas ao consumidor;

        Flutuações de demanda

        São acontecimentos ou situações não planejadas que afetam os estoques, a produção e as vendas, reduzindo o desempenho e elevando os custos da cadeia logística.

        77 Flutuações de demanda Promoções de vendas mal planejadas podem levar a flutuações geradas pela própria organização.

        Ex: sites de compra coletiva.

        Processos Logísticos podem complicar, por exemplo, por falta de estrutura no embarque/ descarga de produtos.

        Ex: trânsito nas grandes cidades, falta de estacionamento.

        Centros de distribuição mal localizados, ou com limitação de armazenagem. 78 Flutuações de demanda (causas) Demanda sazonal ou sujeita a alterações muito drásticas nos pedidos.

        Ex: Datas comemorativas, produtos de estação.

        Mudanças tecnológicas ou lançamento de novos produtos. Novos entrantes, novos concorrentes ou produtos substitutos. 79 Artigo :

        “O surgimento e a difusão do ECR na cadeia de suprimentos.”

        Leia e responda de acordo com o artigo:

        Cite e explique cada era das inovações gerenciais da cadeia de suprimentos. Qual foi o contexto do surgimento e disseminação do ECR nos Estados Unidos, no Brasil e em pelo menos dois países europeus. Na implantação do ECR são evidenciados três estágios. Cite quais são eles e exemplifique dois princípios de cada estágio. No estudo multi caso realizado, cite pelo menos cinco dificuldades enfrentadas pelas empresas. 80 Trabalho em Dupla Atividades propostas Laboratório de informática

        Escolha um artigo de pelo menos 5 Crie uma pergunta baseada nos slides da páginas e faça um resumo envolvendo um unidade 2 ou no artigo estudado. dos temas abaixo ligados a logística:

        Inclua a pergunta com a resposta logo abaixo do resumo do artigo.

        SCM – Supply Chain Management; ECR – Efficient Consumer Response; Sortimento de mercadorias; 81 Gestão por categoria; 82 Gestão da distribuição

        Exercício Trabalho em dupla: 1. Explique o conceito de ECR.

        Escolha um produto ou serviço, Inclua dados do tipo de demanda, localização dos diversos

        2. Quais as vantagens de se utilizar a gestão por

        categorias? agentes da cadeia;

        3. Por que as promoções ajudam a vender mais?

        Defina as estratégias de promoção/desconto, utilizando as 3 técnicas apresentadas em

        4. Descreva o abastecimento eficiente, sala.

        abordando o conceito e suas vantagens.

        Crie um problema de flutuação de demanda 83 84 e apresente a solução para o mesmo.

        Centro de Distribuição

        Local utilizado para armazenar produtos

        GESTấO DA DISTRIBUIđấO

        provenientes de diferentes plantas e empresas, mantendo um certo nível de estoque, buscando com isso a redução de

        Armazenagem

        custos e o atendimento mais rápido e racional das solicitações dos clientes. 86 Armazenagem x Estocagem Objetivos da Armazenagem Armazenagem é um conjunto de atividades que diz

        Máximo aproveitamento do espaço; respeito à estocagem ordenada e distribuição de produtos acabados dentro da própria fábrica ou em Utilização efetiva da mão-de-obra e locais destinados a este fim, pelos fabricantes ou equipamentos; através de um processo de distribuição;

        Acesso fácil a todos os itens; Movimentação eficiente dos itens;

        Estocagem é a atividade que, a princípio, diz Máxima proteção dos itens; respeito à guarda segura e ordenada de todos os materiais no armazém, em ordem prioritária de uso

        Boa qualidade de armazenagem. nas operações de produção. 87 88

        Criar utilidade de tempo: produtos

        Nos efeitos da moda, quanto à determinação dos artigos próprios da estação respectiva, no caso da indústria têxtil.

        Armazenagem e sua Importância no Sistema Logístico

        Sempre que a aquisição de maiores quantidades se revele mais econômicas; Quando os preços das mercadorias armazenadas se encontram sujeitos a oscilações no mercado mundial.

        :

        Convém aguardar uma oportunidade de obtenção de ganhos ou de estabilização das conjunturas

        90 Custos e especulação:

        Armazenagem e sua Importância no Sistema Logístico

        Ex: CONAB

        agrícolas, hortifrutigranjeiros, moda, sazonais, etc.;

        89 Equilíbrio Sazonal: Periodicidade das colheitas e dos produtos alimentícios;

        Funções da Armazenagem

        produto, melhoria da qualidade (fumo, bebidas, etc.).

        Criar utilidade de forma: maturação do

        certo no local certo;

        Criar utilidade de utilização: material

        91 Razões Contra a Armazenagem Ocupa espaço em edifícios e acarreta custos em instalações, administrações, mão-de-obra e equipamentos; Os materiais estocados mobilizam capitais, traduzidos em juros a serem pagos; Armazenagem requer estruturas administrativas e organizações de controle; 92

        Acesso ao Estoque Razões Contra a Armazenagem

        O material “envelhece”, deteriora com o tempo e pode perder sua validade (exemplo: produtos farmacêuticos), caso não haja uma rotatividade bem planejada; Um grande armazém comporta percursos longos e, conseqüentemente, maiores custos de movimentação. 93 94 Planejamento do Espaço

        Tendências da Armazenagem

        No planejamento de um armazém deve ser considerado as seguintes áreas: Proliferação de produtos veio para ficar. O cliente está exigindo maior variedade;

        Áreas para corredores e acessos; Os ciclos de vida do produto estão ficando

        Áreas para recebimento e conferência dos menores. Maior giro do número de peças; materiais recebidos e para guarda temporária

        Nível mais alto de serviço: fluxo contínuo e de material sujeito a exame;

        just-in-time;

        Áreas para controle administrativo do Atender todas as necessidades dos clientes depósito e atendimento a fornecedores e num mercado global. requisitantes; 95 96 Embalagens Embalagens Etapas das Embalagens:

        FUNđỏES DAS EMBALAGENS:

        Proteção ao produto; Facilitadora e incrementadora da distribuição; Marketing para venda do produto. 97

        98 Alguns tipos de embalagens

        Caixas de papelão; Contenedores;

        Atados; Caixa de madeira compensada;

        Engradados;

        Caixa de madeira maciça;

        Fardos e sacos; Caixas mistas. Tonéis e barricas.

        99 100

        Marcações (rotulagem, símbolos): Marcações (rotulagem, símbolos):

        101 102

        Vídeo Questões para discussão Fedex.

        Qual foi o principal critério para a escolha da cidade de Memphis como sede da FEDEX?

        Natura

        Quais exemplos podemos identificar no vídeo em que a logística da FEDEX pode ser considerada uma vantagem 103 competitiva? 104

        Objetivos da unitização UNITIZAđấO

        Reduzir custos de manuseio; Unitizar significa “tornar único” e têm como finalidade facilitar a

        Aumentar a velocidade de movimentação movimentação de mercadorias, dos materiais; agilizar os processos de carga e Facilitar a movimentação dos materiais; descarga, proteger as mercadorias e Aumentar a proteção dos materiais; reduzir os custos no sistema logístico. Racionalizar a ocupação de espaços nos armazéns; 105 Racionalizar a ocupação dos espaços nos 106 veículos transportadores.

        Blocagem Cintamento

        107 108

        Pré-lingagem é uma forma de Enfardamento unitização, embalados em sacos, que são amarrados por cinta com alças ou olhais, possibilitando içamento ou arriamento.

        109 110

        Exemplos de unitização

        111 112

        113

        PALETS ou PALETES Palete é uma plataforma

        disposta horizontalmente,para carregamento constituída por vigas e blocos, cuja configuração é compatível com a utilização de sistemas de movimentação e que permita o arranjo e agrupamento de materiais, permitindo o transporte como uma carga única. 114

        Paletes (formatos padrões) Classe A (mm) B (mm) Área (m2) A/b A 1.100 1.100 1,21

        115

        Palets - Vantagens 1.

        Melhor aproveitamento do espaço de armazenagem e transporte;

      1 B 1.100 1.200 1,20 5/6 C 1.100 1.650 1,81 2/3 D 825 1.100 0,91 3/4 E 1.100 1.320 1,45 5/6

        2. Aumento de segurança; 3.

        Redução do custo de manuseio, controle e transporte;

        4. Redução ou eliminação da embalagem

        individual; 5. Redução de tempo dedicado à carga. 116 Palets - Limitações

        1. Exigem equipamento para sua movimentação

        e armazenagem; 2. Só se justifica para grandes fluxos de materiais;

        3. Podem reduzir a flexibilidade; 4.

        Padronizações de dimensões; 5. Volumes com formas não usuais – cônicos, cilindros, que se tornam difíceis de serem empilhados e desperdiçam espaço. 117

        Exemplos: Palete de madeira com blocos e quatro entradas.

        Palete de madeira com vigas, duas entradas e dupla face. 118 Exemplos:

        Palete de madeira com vigas e duas entradas.

        Palete de madeira com vigas, duas entradas e reforço na base. 119

        Empilhadeiras Histórico: Antes do final da Primeira Guerra Mundial, o método de movimentação de materiais mais comuns nos armazéns envolvia a utilização de veículos manuais. O empilhamento era executado manualmente e, na maioria dos edifícios, as alturas do empilhamento eram projetadas para 3 a 4 m. Durante a Segunda Guerra Mundial, a empilhadeira e os paletes de madeira foram introduzidos. 120 Empilhadeiras - Vantagens

        1. Transporte e elevação combinados em um

        Movimentação de uma carga paletizada sobre uma estrutura porta-paletes, através da utilização de uma empilhadeira de mastro retrátil. 123

        8. Emitem gases de escape e barulho;

        Requerem operador especializado; 5. Projetadas para distâncias curtas e médias; 6. As baterias exigem tempo para recarga; 7. O retorno é em vazio;

        3. Requerem corredores e espaço para manobra; 4.

        2. Custo de aquisição, manutenção e operação;

        1. Normalmente requerem cargas paletizadas;

        Empilhadeiras - Limitações

        Exemplos: Garra hidráulica abraça a carga lateralmente, com pressão ajustável de acordo com a necessidade.

        único equipamento;

        Movimentação de 4 tambores através de um dispositivo adaptado no garfo de uma empilhadeira frontal a contrapeso. 122

        Um dispositivo mecânico, acoplado ao garfo da empilhadeira, permite a movimentação de 2 tambores.

        5. Permitem grandes alturas de armazenagem; 6. Em geral, dispensam equipamento auxiliar. 121 Exemplos:

        Duráveis e seguras;

        3. Flexíveis e rápidas quanto ao percurso; 4.

        2. Grande número de acessórios;

        9. Velocidade de 6 e 10 km/h em área interna; 10. Elevam cargas até 12m de altura. 124 Exemplos: Outros exemplos de empilhadeiras

        Empilhadeiras elétricas Empilhadeira pantográfica

        Empilhadeiras para movimenta uma carga paletizada. corredores estreitos

        Movimentação da carga paletizada através da utilização de uma empilhadeira trilateral e selecionadora que possibilita ao operador manter-se junto à plataforma de carga 125 126

        Paleteiras Elétricas Contenedores

        Os motores de tração são projetados para serviço pesado, aprovados para qualquer tipo de aplicação, mantendo eficiência.

        São recipientes rígidos, com volume aproximado

        3 As controladoras de tração transistorizadas proporcionam de 1m , destinados ao transporte interno e/ou rodagem suave, controle da velocidade de acordo com o passo externo e armazenagem de peças a granel, de do operador, possibilidade de programação para aplicações uso repetitivo e com dispositivos para erguer, içar específicas / ajustes de desempenho, diagnóstico de falhas e e suportar o empilhamento. proteção contra super aquecimento.

        127 128

        Conteinerização Exemplos:

        Contenedor plástico com local Conteinerizar significa específico para sua

        “utilizar contêineres ou identificação. É ergonômico, contenedores para facilitando o manuseio. acondicionar ou agrupar as cargas”.

        129 130

        Dimensões definidas pela Tipos de contêineres mais comuns

        International Organization for Dry (carga seca – convencionais);

        Standardization (ISO) Open top (teto aberto, coberto com lona); Isotank (tanque);

        São 40 pés, 30 pés, 20 pés e 10 p&ea

Documento similar