UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL – PPGCA

  UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV

PROGRAMA DE PốS-GRADUAđấO EM CIÊNCIA ANIMAL – PPGCA

GISELLE REGINA RODOLFO

  

FLUXO DE TECIDOS EM PASTOS DE CAPIM-ELEFANTE CV. PIONEIRO

MANEJADOS SOB FREQUÊNCIAS E SEVERIDADES DE DESFOLHA

LAGES, SC

  GISELLE REGINA RODOLFO FLUXO DE TECIDOS EM PASTOS DE CAPIM-ELEFANTE CV. PIONEIRO MANEJADOS SOB FREQUÊNCIAS E SEVERIDADES DE DESFOLHA

  Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciência Animal.

  Orientador: André Fischer Sbrissia

LAGES, SC

  

GISELLE REGINA RODOLFO

FLUXO DE TECIDOS EM PASTOS DE CAPIM-ELEFANTE CV. PIONEIRO

MANEJADOS SOB FREQUÊNCIAS E SEVERIDADES DE DESFOLHA

  Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciência Animal.

  

Lages, SC, (13 / 07 / 2012)

  

AGRADECIMENTOS

  Primeiramente agradeço a Deus por estar presente em todos os momentos da minha vida. Agradeço especialmente ao professor orientador André Fischer Sbrissia pela oportunidade concedida, pelos ensinamentos repassados, minha eterna gratidão e admiração. À Universidade do Estado de Santa Catarina e ao Programa de Pós - Graduação em Ciência Animal pela oportunidade de realização do curso. Aos professores da Pós - Graduação em Ciência Animal e também aos professores do

  Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal e Ciência do Solo pelas contribuições no desenvolvimento das disciplinas e pelos ensinamentos transmitidos.

  Ao CNPQ pela concessão da bolsa de estudos. Aos mestrandos e colegas de projeto Daniel e Kamila pela parceria e troca de conhecimentos durante a realização do experimento e ao longo de todo o curso.

  À mestranda e amiga Deisy Andrade Padilha pelos momentos de parceria, chimarrão e ajuda ao projeto. Aos doutorandos Gabriela e Guilherme pelas conversas, trocas de experiências e pela amizade. Aos bolsistas de iniciação científica e também a todos os estagiários voluntários, pela dedicação com que realizaram este trabalho, em especial Guilherme e Lucas. Sozinhos não fazemos nada...

  A todos que contribuíram de forma direta ou indiretamente para que esse trabalho pudesse ser realizado. À minha família, minha irmã Débora e meu cunhado Edson, por estar sempre ao meu lado durante esta caminhada e pelo apoio incondicional. Agradeço em especial minha mãe

  Célia, por sempre acreditar no meu potencial e me incentivar.

  A todos e amigos e colegas pela torcida na realização deste curso. Por fim, agradeço por mais esta conquista, que além da contribuição profissional e agregação de conhecimentos me proporcionou crescimento pessoal.

  A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o mistério passará pela vida sem ver nada.

Albert Einstein

  

O conhecimento não é algo pronto de forma que a verdade não é

acabada, certa ou errada e sim a mais adequada. Não veja barreiras e

sim alguma maneira de superá-las. Não procure o perfeito, mas o

inimaginável... então, imagine e crie o quanto puder, de forma que as

ideias mais incabíveis, estas sim, são as melhores que poderíamos ter.

Bem, a ciência... ah a ciência está em nossas mãos!

  (autoria própria) i

RESUMO

  RODOLFO, Giselle Regina. Fluxo de tecidos em pastos de capim-elefante cv. Pioneiro

  manejados sob frequências e severidades de desfolha. 2012. 68

  f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal

  • – Área: Produção Animal) – Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós- Graduação em Ciência Animal, Lages, 2012. As características morfogênicas e estruturais das plantas forrageiras, bem como os processos de crescimento e senescência de tecidos podem variar de acordo com as estratégias de manejo utilizadas. Assim, os objetivos deste experimento foram avaliar os efeitos das frequências e severidades de desfolhação sobre as características morfogênicas e estruturais de pastos de

  

Pennisetum purpureum cv. Pioneiro, de forma a compreender e permitir o planejamento e

  manipulação de sua utilização, assegurando o uso adequado dessa planta forrageira. O experimento foi conduzido na área experimental do setor de bovinocultura de leite pertencente ao Centro de Ciências Agroveterinárias - Universidade do Estado de Santa Catarina (CAV-UDESC), no período de janeiro a junho de 2011. Os tratamentos consistiram na combinação de duas frequências de pastejo (altura das plantas no pré-pastejo de 90 e 120 cm) e duas severidades de desfolha (50 e 70% de remoção da altura de entrada). O delineamento utilizado foi em blocos ao acaso, em arranjo fatorial 2 x 2, com três repetições. As análises estatísticas foram realizadas por meio do procedimento MIXED do pacote estatístico SAS (Statistical Analysis System) versão 9.2. Para efeito de comparação de médias entre tratamentos foi utilizado o “PDIFF”, com um nível de probabilidade de 5%, usando o teste t de Student. As avaliações ocorreram ao longo dos terços de rebrotação, sendo estes descritos como terça parte da altura do pasto, dependendo do tratamento empregado. Assim, as seguintes variáveis foram avaliadas por meio da técnica de perfilhos marcados: taxa de aparecimento de folhas (TApF), taxa de alongamento de folhas (TAF), taxa de senescência foliar (TSF), taxa de alongamento de colmo mais pseudocolmo (TACP), número de folhas vivas (NFV) e em expansão (NFE), comprimento médio de colmo mais pseudocolmo (CMCP). Outras avaliações realizadas foram a determinação da densidade populacional de perfilhos basais, aéreos e vasocondutores (DPPB, DPPA, DPPVC, respectivamente). Em tratamentos conduzidos a 90 cm de altura pré-pastejo, no início da rebrota houve altas TSF e TACP principalmente quando aliadas às desfolhas de 70%. No segundo terço de rebrotação ocorreu queda da TAF, TApF e da DPPA de forma mais acentuada quando combinadas à desfolhas de 70%. Em tratamentos utilizando-se 120 cm de altura pré-pastejo houve as maiores taxas de senescência e alongamento de colmo. As características morfogênicas e estruturais apresentaram forte influência das estratégias de pastejo adotadas. Os resultados sugerem que pastos de capim-elefante cv. Pioneiro não devem ser manejados com alturas superiores a 90 cm, indicando que esta altura já é um limite de manejo e que os pastos devem ser desfolhados com severidades de pastejo de 50% da altura de entrada. ii

ABSTRACT

  RODOLFO, Giselle Regina. Tissue turnover in elephant grass swards cv. Pioneiro

  

managed under frequencies and severities of defoliation. 2012. 68 f. Dissertação

  (Mestrado em Ciência Animal

  • – Área: Produção Animal) – Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós- Graduação em Ciência Animal, Lages, 2012. The morphogenetic and structural characteristics of forage plants, as well as the processes of growth and senescence of tissues can change according to the management strategies used. Therefore, the aim of this experiment was to evaluate the effects of frequency and severity of grazing on morphogenetic and structural characteristics in pastures of Pennisetum purpureum cv. Pioneiro, in order to understand and allow for planning and handling of its use, ensuring the proper use of this plant. The experiment was conducted at dairy cattle sector belonging of Santa Catarina State University (CAV-UDESC), between January and June 2011. The treatments consisted of two grazing frequencies (pre-grazing sward heights of 90 and 120 cm) and two defoliation severities (50 and 70% of the initial height). The experiment was carried out according a complete randomized block design in a 2 x 2 factorial arrangement with three replications. Statistical analyzes were performed using the MIXED procedure of SAS statistical package (Statistical Analysis System) version 9.2. Means were compared using the "PDIFF" statement, with a probability level of 5%, using the Student t test. Assessments were made over thirds of regrowth, which are described as a third of the sward height regrowth, depending on the treatment. Therefore, the following variables were evaluated every third of regrowth using the technique of marked tillers: leaf appearance rate (LAR), leaf elongation rate (LER), leaf senescence rate (LSR), stem elongation rate more pseudostem (SER), number of live leaves per tiller (LLT) and expanding leaves (NEL), average length of stem (stem+pseudostem), basal, aerial and connecting tillers population density. In treatments

  conducted at 90 cm early in the regrowth there was a higher LSR and SER especially when combined with the 70% of defoliation. At the second third of regrowth there was a decrease on LER, LAR and aerial tiller density and it was more pronounced when combined with defoliation of 70%. In treatments using 120 cm pre-grazing there was the higher leaf senescence and stem elongation rates. The morphogenetic and structural characteristics have a strong influence of grazing strategies adopted. The results suggests that elephant grass swards, cv. Pioneiro, should not be grazed higher than 90 cm, indicating that this height it is a limit of management.

  

Keywords: Growth. Frequencies and severities of grazing. Morphogenesis. Pennisetum

purpureum . Regrowth. Senescence.

  

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Resultados da análise química do solo da área experimental...........

  26 Tabela 2 - Altura residual (cm) dos quatro tratamentos empregados................

  30 Tabela 3 - Unidades experimentais e respectivos blocos e tratamentos.............. 31 Tabela 4 - Quantidade de uréia aplicada (kg) em cada unidade experimental e a respectiva data da aplicação durante o período experimental..........

  34 Tabela 5 - Códigos para identificação do status de folhas e colmos.................

  37 Tabela 6 - Tratamentos e respectivas alturas dos terços (cm) no período de rebrota do pasto...............................................................................

  38

  • 1 -1

  Tabela 7 - Taxa de senescência foliar (cm.perfilho . dia ) de perfilhos basais e aéreos em pastos de capim-elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré-pastejo........................................................................... 43

  • 1 -1

  Tabela 8 - Taxa de senescência foliar (cm.perfilho . dia ) em pastos de capim- elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré-pastejo e duas severidade de desfolhação, ao longo dos terços de rebrotação... 44

  • 1 Tabela 9 - Taxa de alongamento de colmo mais pseudocolmo (cm.perfilho .
  • 1

  dia ) em pastos de capim-elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré-pastejo e duas severidades de desfolhação, ao longo dos terços de rebrotação....................................................................... 44

  • 1 -1)

  Tabela 10 - Taxa de aparecimento de folhas (folhas. perfilho . dia em pastos de capim-elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré- pastejo, ao longo dos terços de rebrotação.......................................... 45

  • 1

  Tabela 11 - Número de folhas vivas (folhas. perfilho ) em pastos de capim- elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré-pastejo, ao longo dos terços de rebrotação........................................................... 46

  Tabela 12 - Comprimento médio de colmo mais pseudocolmo (cm) de perfilhos basais e aéreos de pastos de pastos de capim-elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré-pastejo e duas severidades de desfolhação.......................................................................................... 47

  Tabela 13 - Comprimento médio de colmo mais pseudocolmo (cm) em pastos de capim-elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré- pastejo, ao longo dos terços de rebrotação.......................................... 47

  2 Tabela 14 - Densidade populacional de perfilhos basais (perfilhos/m ) de pastos

  de capim-elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré- pastejo e duas severidades de desfolhação.......................................... 48

  2 Tabela 15 - Densidade populacional de perfilhos basais (perfilhos/m ) de pastos

  de capim-elefante cv. Pioneiro manejados em duas alturas de pré- pastejo e duas severidades de desfolhação, ao longo dos terços de rebrotação ...........................................................................................

  48

  2 Tabela 16 - Densidade populacional de perfilhos aéreos (perfilhos/m ) de pastos

  de capim-elefante cv. Pioneiro manejados em duas severidades de desfolhação, ao longo dos terços de rebrotação................................... 49

  

LISTA DE FIGURAS

  Figura 1 - Uma planta de uma gramínea consiste em uma série de perfilhos e cada um destes por uma sucessão de fitômeros...............................

  15 Figura 2 - Morfologia de um perfilho: P = perfilho, FE = folha em expansão, FM = folha madura expandida, FS = folha senescente, MA = meristema apical, GA = gema axilar, R = raiz..................................

  16 Figura 3 - Parte de uma gramínea mostrando o pseudocolmo e o corte transversal com as bainhas arranjadas concentricamente................

  16 Figura 4 - Relação entre variáveis morfogênicas e características estruturais do pasto.................................................................................................... 18 Figura 5 - Relação entre o índice de área foliar e a interceptação de luz pelo pasto................................................................................................

  20 Figura 6 - Relação entre índice de área foliar e penetração de luz no dossel.....

  21 Figura 7 - Acúmulo de forragem no tempo em pastos submetidos à pastejo rotacionado......................................................................................

  21 Figura 8 - Renovação de tecidos em pastos desfolhados, correspondendo às taxas de crescimento de forragem, senescência e acúmulo líquido...

  22 Figura 9 - Imagem de satélite da área experimental..........................................

  25 Figura 10 - Vista geral da área experimental......................................................

  26 Figura 11 - Série histórica das médias mensais de precipitação e temperaturas no período de 50 anos (1961 a 2011), em Lages/SC...........................

  27 Figura 12 - Médias mensais de precipitação e temperaturas durante o período de setembro de 2010 a junho de 2011, em Lages/SC...............................

  28 Figura 13 - Plantas da área experimental roçadas ao nível de 0,5 m de altura em

  32 setembro de 2010................................................................................. Figura 14 - Presença de plantas daninhas na área experimental............................ 32 Figura 15 - Bastão graduado para monitoramento da altura do dossel.................. 35

  Figura 17 - Esquema para visualização da divisão dos terços de rebrotação do pasto..................................................................................................... 38 Figura 18 -

  • 1 -1

  Taxas de alongamento e senescência foliares (cm.perfilho . dia ) de pastos de capim-elefante cv. Pioneiro de acordo com as alturas 53 pré-pastejo, ao longo dos terços de rebrotação....................................

  • 1 -1

  Figura 19 - Taxas de alongamento e senescência foliares (cm.perfilho . dia ) de pastos de capim-elefante cv. Pioneiro de acordo com as 53 severidades de desfolhação, ao longo dos terços de rebrotação..........

  

SUMÁRIO

RESUMO .................................................................................................................................... i

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

2.9.1.1 Medições realizadas nos perfilhos .......................................................................... 36

  

2.9.1.2 Quantificação das variáveis....................................................................................... 37

  

2.9.1.2.1 Taxas de alongamento foliar, senescência foliar e alongamento de colmo mais

pseudocolmo........................................................................................................................... 39

  

2.9.1.2.2 Taxa de aparecimento de folhas ........................................................................... 40

  

2.9.1.2.3 Número de folhas vivas e em expansão................................................................. 40

  

2.9.1.2.4 Comprimento médio de colmo mais pseudocolmo............................................... 41

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

1 INTRODUđấO

  A bovinocultura é um dos principais destaques do agronegócio brasileiro no cenário mundial. O Brasil é dono do segundo maior rebanho efetivo do mundo, com cerca de 200 milhões de cabeças (MAPA, 2012), e desde 2004, assumiu a liderança nas exportações, com um quinto da carne comercializada internacionalmente e vendas em mais de 180 países. A produção de carne bovina foi estimada em 2010 em 9.486 milhões de toneladas (peso em carcaça) (ABIEC, 2012) e até 2020, a expectativa é que a produção nacional de carnes suprirá 44,5% do mercado mundial (MAPA, 2012).

  No Brasil, no ano de 2010 o volume de leite produzido foi de 30.715 milhões de litros, com 22.925 cabeças de vacas ordenhadas e uma produtividade de 1.340 litros/vaca/ano. Na ultima década houve um aumento no volume produzido de 10.948 milhões de litros, no número de vacas ordenhadas de 5.040 cabeças e na produtividade de 235 litros/vaca/ano. Santa Catarina é o quinto produtor de leite do país, com 2.381.130 litros em 2010 (CNPGL, 2012).

  Diante do exposto, fica evidente a importância econômica e social da bovinocultura no país. O clima tropical e a extensão territorial do Brasil contribuem para esses resultados, permitindo a criação da maior parte do rebanho bovino em pastagens (MAPA, 2012), sendo esta a principal fonte de alimento e a alternativa mais barata de alimentação dos rebanhos (PEDREIRA, MELLO e OTANI, 2001). Porém, a produção animal em pastagens deve ser baseada na intensificação dos sistemas de produção já existentes, maximizando o rendimento dos pastos, pois fatores como a conservação ambiental e cultivo de outras culturas impedem a expansão em área do cultivo de forrageiras.

  O Brasil possui em torno de 178 milhões de hectares de pastagens, sendo 45% dessa área representada por pastagens nativas e 55% por pastagens cultivadas (SILVA e NASCIMENTO JÚNIOR, 2006a), destacando-se no cenário mundial como produtor pecuário, devido, entre outros fatores, à exploração do potencial produtivo de gramíneas tropicais. Nos últimos 30 anos tem havido decréscimo nas áreas de pastagens nativas e um aumento nas áreas de pastagens cultivadas, destacando-se o potencial que as pastagens de clima tropical tem apresentado na produção de carne e leite, sendo reconhecida como superior se comparada a pastagens de clima temperado, considerando as possibilidades de ocupação devido ao fato de que houve pouco avanço no conhecimento principalmente acerca da ecofisiologia das plantas forrageiras quando submetidas à utilização por animais (SILVA, NASCIMENTO JÚNIOR e EUCLIDES, 2008).

  Uma vez que a maioria dos estudos sobre as características morfogênicas e estruturais estão concentrados e foram pioneiros em gramíneas de clima temperado, percebe-se a importância do aprofundamento dos estudos em gramíneas de clima tropical, como o capim- elefante, que é amplamente difundido e altamente produtivo. Segundo Silva e Nascimento Júnior (2005), ainda não há melhor definição de alguns pontos considerados chaves em termos de estratégias de manejo, de forma que se possa ter segurança na definição de qual seria o nível de utilização mais adequado ao potencial de produção das espécies forrageiras tropicais. Algumas perguntas ainda surgem, a saber: Qual o melhor momento de entrada e saída dos animais do pasto? Que estratégia deve ser adotada para se obter melhor população de plantas na área (perfilhamento)? Qual altura de pastejo deve ser adotada? Certamente, boa parte dessas respostas está sendo dada por meio da avaliação de características morfogênicas e estruturais das plantas forrageiras.

  As pastagens compõem um ecossistema complexo e dinâmico, formado pela associação de componentes bióticos e abióticos arranjados de forma hierárquica e interativa (SILVA, NASCIMENTO JÚNIOR e EUCLIDES, 2008) considerando-se a relação solo: planta: animal: meio. Sendo assim, em plantas submetidas à desfolha, o conhecimento da sua morfologia, morfogênese e respostas fisiológicas são de importância fundamental para que se possam definir estratégias de manejo que mantenham a produção, produtividade e persistência das plantas forrageiras, de forma a alcançar a idealização e condução de sistemas eficientes, competitivos, economicamente viáveis e sustentáveis de produção animal em pastagens, respeitando-se os limites de uso das mesmas.

  O manejo de pastagens deve visar à maximização das taxa de crescimento e a minimização das taxas de perdas. Cada espécie possui seu ponto ideal de colheita para obtenção desse máximo aproveitamento, o qual pode ser determinado por meio de técnicas de estudos de fluxo de tecidos aliados a conhecimentos sobre densidade populacional de perfilhos (SILVA e PEDREIRA, 1997). A renovação da área foliar de um pasto pode ser estudada de diferentes formas, seja pelo conhecimento dos órgãos das plantas, de plantas individuais, ou da população de plantas (SILVA e NASCIMENTO JÚNIOR, 2006b).

  1.1 CONSTITUIđấO DA PLANTA FORRAGEIRA

  • – O PERFILHO As plantas de uma população de pastagens de gramíneas são formadas por perfilhos, que são as unidades vegetativas básicas (HODGSON, 1990) e que correspondem a uma sucessão de fitômeros diferenciados a partir do meristema apical. Os fitômeros são constituídos por lâmina foliar, bainha, internó, nó e gema axilar (MOORE e MOSER, 1995) (FIGURA 1) e alguns autores como Wilhelm e McMaster (1995) consideram que as raízes também possuem um processo semelhante de crescimento. Os fitômeros estão em diferentes fases de desenvolvimento na planta (VALENTINE e MATTHEW, 1999), apresentando folhas em expansão, expandidas e em senescência (FIGURA 2).

  

Figura 1- Uma planta de uma gramínea consiste em uma série de perfilhos e cada um destes por uma sucessão de

fitômeros.

  Organização de um fitômero Organização de um perfilho Organização de uma planta Lâmina Lígula Fitômero 4

  Perfilho 1 Bainha Perfilho 2 Fitômero 3

  Gema Entrenó Perfilho 3 axilar

  Fitômero 2 Fitômero 1 Nó Fonte: adaptado de Briske, (1991).

  Por meio da morfologia da planta apresentada nas Figuras 1 e 2, observa-se que as bainhas das folhas mais novas encontram-se envoltas pelas bainhas das folhas mais velhas, formando o que é chamado de pseudocolmo (FIGURA 3). O colmo verdadeiro encontra-se abaixo do meristema apical, abaixo dos últimos dois nós, aproximadamente.

  Após o seu aparecimento, o perfilho passa a diferenciar-se, expandir folhas e alongar o colmo a uma velocidade determinada por fatores de ambiente, nutricionais e genéticos (CARNEVALLI, 2003). O desenvolvimento, crescimento e senescência de folhas e perfilhos constituem os processos fisiológicos que caracterizam a dinâmica do desenvolvimento do relvado (GOMIDE, 1997), sendo mecanismos descritos pela morfogênese. Assim, o acúmulo de fitômeros e o grau de desenvolvimento individual (expansão foliar, alongamento dos nós e entrenós) resultam no acúmulo de biomassa do perfilho (SKINNER e NELSON, 1995), que acabam por determinar o acúmulo da biomassa total por meio do somatório da produção de perfilhos.

  Figura 2 - Morfologia de um perfilho: P = perfilho, FE = folha em expansão, FM = folha madura expandida, FS = folha senescente, MA = meristema apical, GA = gema axilar, R = raiz Fonte: adaptado de Valentine e Matthew, (1999).

  

Figura 3 - Parte de uma gramínea mostrando o pseudocolmo e o corte transversal com as bainhas

arranjadas concentricamente

  Os perfilhos têm um período de vida, e necessitam ser substituídos para que a densidade populacional de perfilhos da gramínea de interesse seja mantida e assegure a persistência, longevidade e produtividade da pastagem (MATTHEW et al., 2000).

  O potencial de perfilhamento é determinado pela emissão de folhas, onde cada uma delas pode produzir outro perfilho, através da gema axilar, formando o conceito de

  “site

filling os perfilhos de uma planta forrageira possuem ligação

(DAVIES, 1974). Sendo assim,

  fisiológica entre si (LANGER, 1963) e mesmo quando perfilhos jovens (aéreos) se desenvolvem e crescem dentro da bainha foliar de um colmo mais velho (basais), são mantidos pelo colmo principal (SILVA e PEDREIRA, 1997).

  Segundo Corsi (1994), o manejo do capim-elefante deve ser efetuado, de maneira que, durante o primeiro pastejo o meristema apical dos perfilhos basais seja eliminado. Essa eliminação proporciona condições para o aparecimento de perfilhos aéreos, provenientes das gemas axilares e que devem ser a base da produção de matéria seca durante todo o período de crescimento. Isto sugere que durante o primeiro pastejo os perfilhos basais sejam explorados, e que se conduza um manejo de forma que se priorize o desenvolvimento de perfilhos aéreos, já que segundo Hillesheim e Corsi (1990), o estímulo à formação de perfilhos aéreos em detrimento dos perfilhos basais resulta em algumas vantagens. Isso porque os perfilhos aéreos têm menor tendência a elevar o meristema apical, maior proporção de folhas e maior densidade de matéria seca por cm de altura da planta em comparação aos basais.

  Porém, vale lembrar que, em alguns cultivares, a estratégia de recuperação e crescimento baseia-se mais no lançamento de perfilhos basais do que aéreos (PEREIRA, 1994). Também deve-se considerar a estacionalidade de produção das classes de perfilhos. Carvalho et al. (2004, 2006, 2007), trabalhando com capim-elefante cv. Napier, apontam através de estudos de densidade populacional de perfilhos que o maior desenvolvimento de perfilhos basais e aéreos foram durante a primavera e o verão respectivamente. No mesmo trabalho de Carvalho et al., (2007), obteve-se que os perfilhos aéreos foram responsáveis por aproximadamente 75% da composição do índice de área foliar (IAF).

  Sabendo que o comportamento das classes de perfilhos do capim-elefante sob pastejo, nas diferentes épocas do ano, exerce influência sobre as taxas de crescimento e o acúmulo de forragem, e que seu conhecimento é utilizado para otimizar o uso do pasto (CARVALHO et al., 2007), é de grande importância encontrar práticas de manejo visando o equilíbrio da produção dessas duas classes de perfilhos, podendo-se priorizar ora a produção de aéreos e

  1.2 MORFOGÊNESE E CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS Chapman e Lemaire (1993) citados por Lemaire e Chapman (1996), definiram a morfogênese de plantas como sendo a dinâmica de geração e expansão das plantas no espaço, podendo ser descrito em termos de taxas de aparecimento de novos órgãos, expansão, senescência e decomposição de tecidos. Em pastagens onde somente folhas são produzidas, a morfogênese de plantas é descrita por três características principais: taxa de aparecimento de folhas (TApF), taxa de alongamento de folhas (TAF) e duração de vida das folhas. Essas características são determinadas geneticamente e são influenciadas por variáveis de ambiente como temperatura, nutrientes e umidade do solo. A combinação dessas três características morfogênicas determina as três principais características estruturais do dossel como comprimento final da folha, densidade populacional de perfilhos (DPP) e número de folhas vivas por perfilho (NFV) (LEMAIRE e CHAPMAN, 1996) (FIGURA 4).

  Figura 4 - Relação entre variáveis morfogênicas e características estruturais do pasto Fonte: Lemaire e Chapman, (1996).

  Na Figura 4, as linhas pontilhadas indicam que plantas individuais são sensíveis a variações em condições de ambiente e podem adaptar sua morfogênese por meio de uma resposta plástica. Esse fenômeno pode ser chamado de "plasticidade morfológica" ou consideradas como sistemas altamente regulados onde qualquer mudança estrutural determina respostas na morfogênese de plantas que, por sua vez, modificam a estrutura do pasto (LEMAIRE e AGNUSDEI, 2000).

  Sbrissia e Silva (2001) propuseram uma adaptação no esquema de Lemaire e Chapman (1996) para as plantas forrageiras tropicais, indicando a necessidade da inclusão do alongamento do colmo dentre as características morfogênicas e da relação lâmina/colmo (RLC) nas características estruturais. Em gramíneas de hábito de crescimento ereto, o alongamento do colmo incrementa o rendimento forrageiro, porém interfere significativamente na estrutura do pasto. A distribuição de folhas no perfil do dossel é alterada pelo alongamento do colmo, o que, por sua vez, modifica a quantidade e a qualidade da luz no interior do dossel, repercutindo diretamente nas características morfogênicas e no perfilhamento.

  A TApF pode ser considerada a característica principal da morfogênese por exercer influencia sobre os três principais componentes estruturais do pasto. A TApF possui tendência a diminuir com o desenvolvimento do dossel e esse fenômeno pode ser uma consequência do aumento do comprimento das bainhas das folhas sucessivas, que acaba por atrasar o aparecimento de uma nova lâmina foliar acima do meristema apical. Assim, pastos mantidos com um IAF baixo por meio de desfolhações frequentes apresentam maiores valores de TApF que pastos mantidos com um IAF alto, obtido por meio de desfolhações menos frequentes (LEMAIRE e CHAPMAN, 1996; DURU e DUCROCQ, 2000).

  Após a desfolha, a taxa de senescência foliar aumenta podendo se igualar a TApF. Assim, ocorre um equilíbrio entre o aparecimento e morte foliares, alcançando desta forma, um máximo de NFV, que é constante e determinado geneticamente (LEMAIRE e CHAPMAN, 1996). Segundo Almeida, Setelich e Maraschin (1997), o capim-elefante cv. Mott pode apresentar nove folhas vivas.

  A TAF possui uma correlação negativa com a TApF, de forma que quanto maior o tempo de alongamento das folhas, menor a TApF. A TAF pode ser reduzida pela desfolha e esse efeito pode ser o resultado de uma diminuição no tamanho da zona de desenvolvimento celular das folhas (SCHNYDER et al., 2000)

  O produto das características estruturais da pastagem determina o seu índice de área foliar (IAF). O IAF é a relação entre a área de folhas e a área de solo ocupada e quanto maior o IAF do pasto, maior a sua capacidade de interceptar luz (WATSON, 1947) (FIGURA 5). características estruturais do dossel como a densidade populacional e o tamanho dos perfilhos (DEREGIBUS, SANCHEZ e CASAL, 1983).

  Figura 5 - Relação entre o índice de área foliar e a interceptação de luz pelo pasto Fonte : adaptado de Hodgson, (1990).

  Num valor de IAF chamado ótimo a interceptação de aproximadamente toda luz incidente, proporcionaria o máximo valor de taxa de crescimento da cultura (TCC - massa de matéria seca acumulada por unidade de área por unidade de tempo) (WATSON, 1958). O valor de IAF que proporciona 95% de interceptação luminosa no qual o valor de TCC está próximo do máximo é conhecido como crítico (IAF crítico). Abaixo do IAF ótimo as TCC são dependentes do IAF e são reduzidas à medida que a interceptação da luz incidente é incompleta. Acima do IAF ótimo, a redução da TCC é causada pelo aumento das perdas respiratórias, consequência do sombreamento excessivo, que resulta num balanço negativo de carbono (HAY e WALKER, 1989), assim, à medida que o IAF aumenta ocorre um decréscimo na penetração de luz no dossel (FIGURA 6).

  1.3 ACÚMULO LÍQUIDO DE FORRAGEM Os responsáveis pela manutenção da sobrevivência dos tecidos remanescentes após o corte ou pastejo são as reservas orgânicas e o IAF remanescente. A área foliar deixada após a desfolha é importante porque aumenta o vigor da rebrotação, resultado da produção imediata suas reservas para recuperação da área foliar (SILVA, NASCIMENTO JÚNIOR e EUCLIDES, 2008).

  O crescimento de um pasto submetido à desfolhação intermitente foi demonstrado por Brougham ( 1955) que determinou a natureza da curva de rebrotação após desfolha em pastagens de trevo e azevém e descreveu uma trajetória sigmóide do acúmulo da massa de forragem no tempo (FIGURA 7).

  

Figura 6 - Relação entre índice de área foliar e penetração de luz no dossel

Fonte: adaptado de Brown, (1984).

  

Figura 7 - Acúmulo de forragem no tempo em pastos submetidos à pastejo rotacionado

da ula m cu a) a im em áx ag rr fo

  (% m de a ss Ma

  Tempo De maneira geral, a curva de rebrotação é caracterizada por apresentar três fases distintas. Na primeira o acúmulo de forragem no início é relativamente lento e aumenta com o tempo. A segunda fase apresenta acúmulo linear. Na terceira fase, inicia-se a queda das taxas médias de acúmulo, ocasionando uma redução na taxa de crescimento, consequência do aumento da senescência. Assim, ficou demonstrado que o crescimento das plantas forrageiras estava relacionado com o nível de interceptação de luz pelo dossel e seu IAF, havendo uma taxa constante no acúmulo de matéria seca quando havia folhagem suficiente para interceptar praticamente toda a luz incidente (SILVA e NASCIMENTO JÚNIOR, 2007).

  O crescimento não é o único processo determinante da produção vegetal num ambiente de pastagem. Existem outros processos, como a senescência foliar e o alongamento de colmos, que ocorrem de forma simultânea, de modo que o acúmulo de forragem é o resultado do balanço líquido entre eles (PINTO et al., 2001).

  Na Figura 8 é mostrado que, a taxa de crescimento aumenta rapidamente após a desfolha e estabiliza. As perdas por senescência e decomposição de tecidos inicialmente aumentam mais lentamente, mas aumentam até se tornarem iguais à taxa de crescimento. Desta forma o acúmulo líquido de forragem também tem um máximo e declina, podendo chegar a zero. O crescimento aumenta durante a rebrota até atingir um patamar a partir do qual não existe vantagem em incremento de produção, pois a quantidade de material senescente pode aumentar muito, levando a condições extremas, a um acúmulo negativo de matéria seca (PARSONS, 1988).

  Figura 8 - Renovação de tecidos em pastos desfolhados, correspondendo às taxas de crescimento de forragem, senescência e acúmulo líquido Crescimento Senescência e perdas

  % ) ( to por decomposição os en tecid e escim d cr ão de a vaç no tax Acúmulo re a im líquido de a

  áx m ax T Segundo Parsons (1988), o manejo da pastagem é, na sua essência, o compromisso entre a necessidade de se manter área foliar para a fotossíntese e a de se colher grandes quantidades de tecido foliar de alta qualidade antes que esse tecido morra. Com isso percebe- se que é importante colher o pasto em um momento que haja altas taxas de produção de forragem associadas a baixas taxas de morte de tecidos. Para isto deve-se empregar conceitos de IAF, interceptação luminosa e entender o processo de crescimento do pasto, traduzindo-se de maneira prática no manejo da frequência e severidade adotados.

  1.4 MANEJO DO PASTEJO A combinação entre frequências e severidades de pastejo condiciona a diferentes respostas nas características produtivas e qualitativas da planta forrageira, de modo que o entendimento destas interações possibilita alcançar alta produção e colheita de forragem (SBRISSIA et al., 2012).

  A lotação intermitente admite infinitas combinações entre períodos de pastejo, frequências e intensidades de desfolhação, de tal forma que é importante considerar a combinação desses dois efeitos sobre a capacidade do pasto de rebrotar (SBRISSIA et al., 2009).

  Algumas alturas pré e pós-pastejo de pastos de capim-elefante frequentemente utilizadas podem ser verificadas em Deresz, Cóser e Martins (2006), onde se indicou que os animais devem entrar no piquete quando o capim estiver com altura de 1,70 a 1,80 m e sair quando atingir em torno de 1m de altura. Deresz (2001) conduziu experimento com capim- elefante com altura de resíduo pós-pastejo em torno de 90-100 cm e, segundo o mesmo autor, o sistema de manejo adotado pela Embrapa Gado de Leite é de resíduo na faixa de 80 a 100 cm de altura, enquanto o sistema de produção de leite da ESALQ, em Piracicaba-SP, adota altura de resíduo na faixa de 40 a 50 cm.

Mostre mais

Documento similar

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL

0 0 44

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL

0 0 92

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL NORTON KLEIN

0 0 73

LAGES – SC 2009 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL

0 0 14

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL

0 0 72

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL SUSAN EHLERT CHRISTEN

0 0 60

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL

0 0 98

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL FRANCIANE BATISTA

0 0 40

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL

0 0 75

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS – CAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL (PPGCA) GUILHERME DONEDA ZANINI

0 0 78