UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM

  

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC

CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA – CCT

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM

  

PROGRAMA DE PốS GRADUAđấO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE

MATERIAIS - PGCEM

RAQUEL FOLMANN

  

ESTUDO DA APLICAđấO DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIđấO EM TIJOLOS

DE SOLO-CIMENTO

  

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC

CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA – CCT

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM

  

PROGRAMA DE PốS GRADUAđấO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE

MATERIAIS - PGCEM

RAQUEL FOLMANN

  

ESTUDO DA APLICAđấO DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIđấO EM TIJOLOS

DE SOLO-CIMENTO

  Dissertação apresentada para a obtenção do título de mestre em Ciência e Engenharia de Materiais da Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências Tecnológicas – CCT. F663e Folmann, Raquel. Estudo da aplicação de areia descartada de fundição em tijolos de solo-cimento / Raquel Folmann; orientador: Luiz V. O. Dalla Valentina. – Joinville, 2012. 86 f. : il ; 30 cm. Incluem referências. Dissertação (mestrado) – Universidade do Estado Santa Catarina, Centro de Ciências Tecnológicas, Mestrado em Ciências e Engenharia de Materiais, Joinville, 2012.

  1. Cerâmicas. 2. Solo-cimento. 3. Resíduos industriais.

  4. Areia descartada de fundição. I. Dalla Valentina, Luiz.

  

CDD 620.14

  

“Precisamos de uma nova visão da realidade, …

  

AGRADECIMENTOS

Agradeço primeiramente a Deus, pela vida abençoada que me concedeu.

  A minha família querida, meu porto seguro, em especial a meus pais, Rogério e Ana Maria, que sempre me apoiaram na vida e nos estudos. A minha irmã e cunhado por me acolherem em seu lar de maravilhas, e aos meus sobrinhos queridos, Cainã e Ian, por me fazerem acreditar na pureza da vida.

  Ao meu orientador, professor Dr. Luiz Dalla Valentina, que sempre esteve aberto às minhas ideias e acreditou no meu potencial, indicando o melhor caminho nos momentos de dúvida. À minha coorientadora, professora Dra. Marilena Folgueras, pelos valorosos ensinamentos e pelo apoio incondicional. Aos meus colegas de Mestrado, pelas dificuldades e aprendizados partilhados, em especial ao Guilherme, pela amizade, caronas e discussões enriquecedoras. Ao Programa de Pós-graduação em Ciência e Engenharia dos Materiais, e à UDESC, pela oportunidade de realização do mestrado. Ao CnPQ, pelo apoio financeiro por meio da bolsa de estudo. Aos bolsistas Wendel, Wagner, Murilo e Sanders, pelo apoio nas etapas experimentais. Aos técnicos dos laboratórios da Engenharia Civil, John e Adilson, pelo apoio e disposição para realização dos testes com solo-cimento. À Fundição Tupy, em especial à Raquel Carnin, Dirceu Cardoso Jr. e a equipe da Fábrica de Pavers, pela realização dos testes piloto com o solo-cimento. A todos que, de alguma forma, colaboraram para a elaboração deste trabalho, o meu muito

  

RESUMO

  FOLMANN, Raquel. Estudo da aplicação de areia descartada de fundição em tijolos de solo-

  

cimento. 2012. 79 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Engenharia de Materiais – Área:

  Cerâmica) – Universidade Estadual de Santa Catarina. Programa de Pós-graduação em Ciência e Engenharia de Materiais, Joinville, 2012.

  A eficiência ambiental permeia todos os setores produtivos através de um ciclo fechado de produção e consumo de materiais. A reciclagem de resíduos sólidos deve ser priorizada frente ao consumo de matérias-primas naturais, desde que comprovada viabilidade ambiental e técnica para tal. As fundições são grande recicladoras pois utilizam sucatas ferrosas como matéria-prima, porém geram enorme quantidade de resíduos, com destaque para as areias de moldagem. Buscando contribuir para a sustentabilidade das indústrias de fundição e da construção civil esse trabalho investiga a possibilidade da reciclagem de areia descartada de fundição (ADF) em tijolos de solo-cimento (SC). A construção com solo-cimento utiliza o solo como matéria-prima natural, se necessário areia e pedrisco para correção e o cimento como estabilizante. O estudo passa pela caracterização das matérias-primas utilizadas por difração de raios-X, análise térmica, granulometria, lixiviação e solubilização. Nas misturas o cimento compõe 10% em peso e o solo, de predominância argilosa, foi parcialmente substituído por areia descartada de fundição e pó de brita em diferentes percentuais. Assim foi analisada a influência da adição do resíduo nas propriedades físico-químicas e mecânicas das misturas através de ensaios de compactação, calorimetria de condução isotérmica, resistência à compressão, durabilidade e absorção de água em corpos de prova cilíndricos e tijolos modulares. A interface entre os materiais constituintes do solo-cimento foi observada por microscopia eletrônica de varredura. A adição do resíduo de areia de fundição diminui a absorção de água da mistura e aumenta a densidade máxima com pequenas alterações na resistência mecânica. Os tijolos produzidos apresentam absorção de água e perda de massa no ensaio de durabilidade em conformidade com as normas técnicas vigentes. A adição combinada de ADF e de pó de brita eleva a resistência mecânica a níveis aceitos pelas normas de solo-cimento. Os resultados obtidos atestam a viabilidade técnica e ambiental para a utilização da areia descartada de fundição em tijolos de solo-cimento para alvenaria de vedação.

  Palavras-chave: Areia Descartada de Fundição. Solo-Cimento. Resíduos Industriais.

  

ABSTRACT

FOLMANN, Raquel. Study of the application of spent foundry sand in soil-cement bricks.

  2012. 79 f. Dissertation (Mestrado em Ciência e Engenharia de Materiais – Área: Cerâmica) – Universidade Estadual de Santa Catarina. Programa de Pós-graduação em Ciência e Engenharia de Materiais, Joinville, 2012.

  The environmental efficiency permeates all production sectors through a closed cycle of production and consumption of materials. The recycling of solid waste should be priorized against the consumption of natural raw materials as long as environmental and technical viability have been proved. The foundries are great ferrous scrap recyclers, but generate huge amount of waste, especially the foundry sand. In order to contribute to the sustainability of foundry and construction industries this work investigates the possibility of recycling spent foundry sand (ADF) in soil- cement (SC) bricks. The soil-cement construction uses soil as natural raw material, sand and gravel if necessary correction, and cement as a stabilizer. The research involves the characterization of the raw materials by X-ray diffraction, thermal analysis, particle size, leaching and solubilization tests. In blends cement makes up 10% by weight and the soil, predominantly clayey, was partially replaced by spent foundry sand and gravel in different percents. The influence of the residue on the physico-chemical and mechanical properties of the mixtures was analyzed through compaction tests, isothermal conduction calorimetry, compressive strength, durability and water absorption in cylindrical specimens and modular bricks. The interface between the components was observed by electron microscopy scanning. The addition of spent foundry sand decreases the water absorption of the mixture and increases the maximum density with small changes in mechanical strenght. The bricks produced have water absorption and mass loss in the durability test in accordance with the current technical standards. The addition of ADF combined with gravel rises mechanical resistance to acceptable levels of soil-cement standards. The results attest the technical and environmental feasibility for the use of spent foundry sand in soil-cement bricks for masonry seal.

  Keywords: Spent Foundry Sand. Soil-Cement. Industrial Waste.

  SUMÁRIO

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

  

1 INTRODUđấO

  O crescimento sem precedentes da população tem sobrecarregado o meio ambiente. O padrão atual de desenvolvimento econômico tem consumido recursos naturais de maneira indiscriminada, e as atividades industriais geram resíduos que podem contaminar ar, água e solo se não forem dispostos corretamente, sendo assim, o reaproveitamento de resíduos industriais é um desafio à sociedade moderna.

  A comunidade internacional vem somando esforços para conscientização e reversão desse quadro. Nesse sentido destacam-se a Conferência de Estocolmo (1972), a Assembléia Geral das Nações Unidas (1983), o relatório de Brundtland (1987), a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ECO 92) realizada no Brasil (consagrando o conceito de Desenvolvimento Sustentável: um modelo econômico menos consumista e mais adequado ao equilíbrio ecológico) e a Conferência Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável realizada em Johanesburgo (2002), na África do Sul, que traçou novas diretrizes para o Desenvolvimento Sustentável (aplicar o “pensar globalmente e agir localmente”).

  A Política Nacional do Meio Ambiente está regulamentada pela Lei n°6.938, de 1981 e define poluição como “a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população, criem condições adversas às atividades socioeconômicas, afetem desfavoravelmente a biota, afetem condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente e lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos”.

  O modelo atual de produção é linear, em que os bens são concebidos, projetados, construídos, utilizados e, após a vida útil, são acumulados no meio ambiente. O que o planeta necessita é de um modelo fechado ou cíclico de produção e consumo de materiais (CALMON, 2007). dificuldades relacionadas com a sua coleta, armazenamento, transformação, normatização, sistematização e aceitação.

1.1 Problemática

  A fundição é o método mais rápido e o mais utilizado para se obter peças metálicas acabadas, onde o metal é vazado em moldes de “areia verde”. A areia verde é uma composição de areia comum, bentonita, pó de carvão e água, que depois de alguns ciclos perde sua capacidade ligante e tem de ser descartada. Esse resíduo é classificado como classe II A, pela NBR 10.004, ou seja, é não-perigoso e não-inerte. Estima-se que no Brasil são geradas 3 milhões de toneladas de areias de fundição ao ano (ABIFA, 2009).

  A construção civil, dentre os diversos setores industriais, é uma das maiores consumidoras de recursos naturais. Pelo seu grande volume de produção e vasto espectro de composições tem potencial para incorporar resíduos de outras atividades industriais. As vantagens de se proceder à reciclagem incluem redução do volume de extração de matérias-primas, redução do consumo de energia, redução dos custos com disposição de resíduos em aterros e melhoria da saúde da população e do ambiente (MENEZES et al., 2002).

  Em virtude do grande volume do resíduo de areia de fundição e dos impactos ambientais oriundos do seu descarte, sua utilização é defendida em vários trabalhos (DAYTON et al., 2010), (SIDDIQUE e SINGH, 2011), (CARNIN, 2008), inclusive em tijolos de solo-cimento.

1.2 Justificativa

  O Brasil, dada sua grande extensão territorial e seus muitos pontos de dessemelhança, transforma-se num enorme laboratório onde se pode pesquisar o uso e a aplicação de novos materiais de construção, experimentar novas técnicas construtivas e estudar tecnologias apropriadas para os meios rural e urbano (FREIRE, 2003).

  Segundo Torgal e Jatali (2008) a energia gasta em transporte de materiais de construção implica na utilização preferencial de materiais locais. A construção com terra torna-se extremamente vantajosa pela sua disponibilidade e baixo custo, além de suas características de isolamento térmico e baixo gasto de energia de fabricação.

  Nesse contexto a pesquisa com solo-cimento e areia descartada de fundição justifica-se economicamente pelo seu baixo custo de materiais e baixo gasto de energia ao privilegiar materiais locais. Ambientalmente pela utilização de materiais reciclados em substituição aos recursos naturais, reduzindo tanto a extração como a demanda por aterros industriais e socialmente pela tecnologia simples e aplicável em assentamentos humanos urbanos e rurais, buscando assim contribuir para a sustentabilidade dos materiais de construção.

1.3 Objetivos

  Nesse cenário o presente trabalho tem como objetivo geral analisar a viabilidade da reciclagem do resíduo de areia de fundição na fabricação de tijolos de solo-cimento.

  E como objetivos específicos:

  • Caracterizar as matérias-primas – argila e areia descartada de fundição – quanto a sua granulometria, composição mineralógica por análise térmica e difração de raios

1.4 Estrutura do trabalho

  Esta dissertação é composta de cinco capítulos. No segundo capítulo apresenta-se a fundamentação teórica, tratando dos materiais envolvidos – solo, cimento, areia descartada de fundição e suas características. No terceiro capítulo é apresentada a metodologia experimental. O quarto capítulo trata dos resultados e discussão dos experimentos práticos. E finalmente no capítulo 5 as conclusões dessa dissertação e sugestões para trabalhos futuros.

Mostre mais

Documento similar

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM

0 0 16

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM

0 0 17

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM ANGELITA DE ARAUJO DEMARCHI

0 0 19

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM

0 0 17

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS – PGCEM

0 0 15

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS – GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS – PGCEM

0 0 50

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM

0 0 20

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS – PGCEM

0 0 11

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA – DEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS – PGCEM

0 0 88

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS – CCT PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM MESTRADO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS

0 0 17