Aula 12 Ao final desta aula o aluno dever„ ser capaz de: - Conhecer os Fundamentos do Com‰rcio

  S€ntese da vida profissional Ivan Arenque Passos, casado, 44 anos, Bacharel em Administra€•o em Com‚rcio Prof. Ivan Arenque Passos Efetua as seguint es at ribuições: (GBS- IBMEC) Central Florida EUA, Mestrando Administra€•o Estrat‚gica – Coordenador Acad„mico Exterior – UNIP/SP, Diretor da M KTPASSOS - Consultoria e treinamento em Adm. e Marketing. Coordenador da P•s-gradua‚ƒo em marketing. - FESV MBA marketing – FGV/ES, Administra€•o Estrat‚gica – University Palestras e treinamento empresas. (SIPA) Analista de talentos para o mercado de trabalho. (Head Hunter) Consultor Comercial da G3 Social Marketing. Diretor de Marketing da Assoc. Coml. Espirito Santo – ACES . Est eve t rabalhando nas seguint es em presas Qualidade, Marketing, Log…stica, COMEX, Sistema de Informa€•o, Produ€•o, RH Professor nas áreas: Revisão 04 Prof. Ivan Passos www.mktpassos.com 1 2 mktpassos@gmail.com

EM ENTA

  Objetivos Gerais: Administra‚ƒo de Sistemas de Informa‚ƒo

  • Conduzir o aluno ao contato com a

  visa apresentar como utilizar e gerenciar as realidade dos SI’s, tecnologias de informa‚ƒo para alcan‚ar os

  • Para identificar:

  objetivos da organiza‚ƒo. Sua import…ncia

  a) Import…ancia da TI no ambiente nas organiza‚†es, bem como trata dos seus empresarial e aspectos condicionantes, sua tecnologia,

  b) Suas diversas aplica‚oes no apoio seus desafios e aplica‚†es. a atividade administrativa

  • Compreender o novo cenˆrio de neg•cios, suportado pela TI
  • Diferenciar conceitos de dados e informa‚†es
  • Identificar os atributos de qualidade da informa‚†es
  • Reconhecer a import…ncia da informa‚ƒo como recurso estrat‰gico para as organiza‚†es
  • Identificar os vˆrios tipos de sistemas de informa‚ƒo empresarial;
  • Reconhecer no mercado as caracterŠısticas dos SI’s utilizados;
  • Reconhecer a classifica‚ƒo dos Sistemas de Informa‚ƒo
  • Compreender as etapas bˆsicas do Processo de tomada de Decisƒo
  • Descrever as fun‚†es dos Sistemas de acordo com o n€vel e fun‚ƒo organizacional.
  • Unidade I – Conceitua‚ƒo de Tecnologias e Sistemas de Informa‚ƒo 1.1 – Conceito de sistemas, de Sistema de Informa‚ƒo e Tecnologia de Informa‚ƒo; 1 Introdu‚ƒo 1.2 – A import…ncia e a Contribui‚ƒo dos Sistemas de Informa‚ƒo na Gestƒo Organizacional; 2.1 – Princ€pios da Teoria de Sistemas; 2 Teoria dos Sistemas 2.2 –Classifica‚ƒo dos Recursos de um Sistema de Informa‚ƒo; 2.3 –Atividades dos Sistemas de Informa‚ƒo. Unidade II – Conceitos B„sicos de Sistemas de Informa‚ƒo nas Organiza‚…es 1- As Fun‚†es e Aplica‚†es de SI nas organiza‚†es; 2 – TendŒncias em Sistemas de Informa‚ƒo; 3 – A empresa de e-busines; 4-Classifica‚ƒo dos Sistemas de Informa‚ƒo; 5–Desafios gerenciais da Tecnologia da informa‚ƒo. Administra‚ƒo de sistemas e informa‚ƒo 6 Administra‚ƒo de sistemas e informa‚ƒo Unidade III – Tipos de Sistemas de Apoio as Decis…es Organizacionais

    5 Objetivos Espec€ficos:

      1 – Apoio •s decis†es de e-business; 2 – Sistemas de Informa‚ƒo Gerencial (SIG); 3 – Sistemas de Apoio •s Decis†es (SAD); 4 – Processamento anal€tico on-line (Olap). Unidade IV – Tecnologias de Intelig†ncia Artificial (IA) nos neg‡cios 1 - Introdu‚ƒo as Tecnologias de IA; 2- Conceitos Bˆsicos de Realidade Virtual 3-Conceitos Bˆsicos de Sistemas Especialistas 4 – Impactos Žticos e Sociais

      Administra‚ƒo de sistemas e informa‚ƒo Unidade V – Sistemas de Comˆrcio Eletr‰nico 1 – Fundamentos do Com‰rcio Eletr•nico; 2 – Conceitos de Controle de acesso e seguran‚a; 3 – Pagamentos e TransferŒncias eletr•nicas de fundos; 4 – Aplica‚†es do Com‰rcio Eletr•nico; Unidade VI – A infra-estrutura de apoio aos Sistemas de Informa‚ƒo (SI) 1- O Hardware e seu apoio ao Sistema de Informa‚ƒo; 2- O Software e seu apoio ao Sistema de Informa‚ƒo; 3- Softwares para a Web e Integra‚ƒo Empresarial; 4- Administra‚ƒo dos Recursos de Hardware e Software. Bibliografia Aula 12

      HEIZER,Jay e Render Barry, Administra‚ƒo de opera‚†es – bens e servi‚os, Rio de Janeiro, LCT, 2001 Ao final desta aula o aluno dever„ ser capaz

      SLACK, Nigel. Administra‚ƒo da Produ‚ƒo. Sƒo Paulo, de: Atlas,2002.

      RITZMAN, Larry P.; KRAJEWSKI, Kee J. Administra‚ƒo da

    • Conhecer os Fundamentos do Com‰rcio Produ‚ƒo e Opera‚†es. Sƒo Paulo: Person Prentice Hall, 2004.

      Eletr•nico

    • Conhecer os Conceitos de Controle de
    • 9 Acesso e Seguran‚a 10 Fundamentos do Comˆrcio Eletr‰nico Fundamentos do Comˆrcio Eletr‰nico

        ● Comˆrcio Eletr‰nico

        ● Comˆrcio Eletr‰nico

      • – usa recursos da Internet, intranets, extranets e – Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. outras redes de computado>– Pode incluir:
      • – Engloba o processo on-line inteiro:

        ● Processos de marketing interativo, pedidos e pagamento na Rede Mundial de Computadores ● Desenvolvimento, marketing, venda, entrega, atendimento e pagamento por produtos e servi‚os ● Acesso por extranet a bancos de dados de estoque pelos clientes e fornecedores

      • – Comprados por companhias virtuais de clientes conectadas ● Acesso por intranet a cadastros de clientes por
        • rede

        representantes de vendas e atendimento ao consumidor ● com o apoio de uma rede mundial de parceiros comerciais ● Envolvimento no desenvolvimento de produtos via grupos de not€cias na Internet e trocas de e-mail.

        ● Existem trŒs categorias bˆsicas de aplica‚†es de Com‰rcio Eletr•nico:

        ● E-commerce de empresa-a-consumidor B2C:

      • – Nesta forma de e-commerce, as empresas devem desenvolver pra‚as de mercado eletr•nico atraentes para seduzir seus consumidores e vender produtos a e
      • – E-commerce de empresa-a-consumidor ● Business-to-Consomer (B2C)
      • – E-commerce de empresa-a-empresa ● Business-to-Business(B2B)
      • – E-commerce de consumidor-a-consumidor ● Consomer-to-Consomer(C2C)
      • 14 Fundamentos do Comˆrcio Eletr‰nic
      • – As companhias podem oferecer:

        ● websites de e-commerce que apresentem fachadas de lojas virtuais e catˆlogos multim€dia ● processamento interativo de pedidos ● sistemas seguros de pagamento eletr•nico ● suporte on-line ao cliente

      13 Fundamentos do Comˆrcio Eletr‰nico

        Fundamentos do Comˆrcio Eletr‰nico

        ● E-commerce de empresa-a-empresa: B2B

        Fundamentos do Comˆrcio Eletr‰nico ● E-commerce de consumidor-a-consumidor:C2C

      • Leil…es on-line ● Sites como o e-Bay, permitem que os consumidores (e as empresas) comprem e vendam em forma de leilƒo. ● Os leil†es on-line para empresas ou consumidores constituem uma importante alternativa de e-commerce de tipo empresa-a-consumidor ou de empresa-aempr>– Esta categoria de e-commerce envolve mercados eletr•nicos e liga‚†es diretas de mercado entre empre
      • – As companhias podem oferecer:

        ● Websites seguros de e-commerce na Internet ou em extranets para seus clientes e fornecedores ● Interc…mbio eletr•nico de dados (EDI) pela Internet ou extranets para trocas de documentos de e-commerce de computador-a-computador com seus maiores clientes e fornecedores ● Portais de e-commerce B2B que oferecem leil†es e

      • – A propaganda pessoal eletr‰nica de produtos ou servi‚os

        ● Compra ou venda por consumidores em sites de jornais eletr•nicos, portais de e-commerce de consumidores, ou websites pessoais.

        Tecnologias de Comˆrcio Eletr‰nico

        ● As tecnologias de com‰rcio eletr•nico incluem:

        Processos B„sicos de e-Commerce – Tecnologias da informa‚ƒo

        ● Controle de acesso e seguran‚a: ● Hardware e software

      • – Os processos de e-commerce devem estabelecer confian‚a m•tua e acesso seguro entre as partes numa transa‚ƒo d
      • – Tecnologias das telecomunica‚…es

        commerce ● Redes de Dados

        ● autentica‚ƒo dos usuˆrios, ● autoriza‚ƒo de acesso

      • – Tecnologias da Internet ● refor‚o das caracter€sticas de seguran‚a.

        ● Internet: Global e P•blica – Criptografia, etc... ● Intranet: Local e Privada ● Extranet: Global e Privada

      • – Intranets interligadas
      • 17 18 Processos B„sicos de e-Commerce Processos B„sicos de e-Commerce

          ● Perfilando e Personalizando:

        • – Os processos de cria‚ƒo de perfis recolhem dados ● Gerenciamento de Busca: sobre um indiv€duo, seu comportamento e suas – Processos de busca eficientes e eficazes propiciam escolhas no website e criam perfis eletr•nicos de uma capacidade superior de e-commerce ao website suas caracter€sticas e preferŒncias.
        • – Auxilia os clientes a encontrarem o produto ou – Os perfis de usuˆrios sƒo desenvolvidos utilizando servi‚o espec€fico que desejam examinar ou comprar. ferramentas de cria‚ƒo de perfis: ● registro do usuˆrio, ● arquivos de cookies, ● acompanhamento do comportamento no website ● feedback do usuˆrio.

          Processos Básicos de e-Commerce Processos Básicos de e-Commerce

          ●

          Gerenciamento de Conteúdo e Catálogo: Gerenciamento de Conteúdo e Catálogo:

        • – Software de gerenciamento de conte•do – O gerenciamento de catˆlogo e conte•do pode ser ● Content Management System(CMS) ampliado para incluir processos de configura‚ƒo de produto que ap•iam o auto-servi‚o de clientes online
        • – Para desenvolver, criar, publicar, atualizar e arquivar dados e a personaliza‚ƒo em massa dos produtos de de texto e informa‚†es de multim€dia em websites de e- uma empresa. commerce.
        • – O software de configura‚ƒo auxilia os cliente
        • – Comumente o conte•do de e-commerce assume a forma de web a selecionarem o melhor conjunto poss€vel de catˆlogos multim€dia de informa‚ƒo do produto. caracter€sticas do produto que podem fazer parte – Criar e controlar o conte•do do catˆlogo ‰ um importante de um produto acabado. subconjunto do gerenciamento de conte•do.
        • 21 22 Processos Básicos de e-Commerce Fluxo de Trabalho. Ž a

            Workflow

            tecnologia que permite gerenciar ● Administração do Fluxo de Trabalho (Workflow): ● Os sistemas de fluxo de trabalho de e-business ajudam de forma pr•-ativa qualquer os funcionˆrios a colaborarem eletronicamente para processo de neg•cio das empresas. realizar tarefas estruturadas de trabalho, existentes nos Garante o acompanhamento processos de neg•cios que dependem de conhecimentos. constante de todas as atividades e ● Depende de uma rotina de software de fluxo de trabalho um aumento de produtividade com que cont‰m modelos de software dos processos de objetividade e seguran‚a. neg•cios a serem realizados.

            O Workflow tamb‰m atua como um integrador dos mais diversos sistemas e tecnologias: ERP, Enterprise Resource Planning, SCM, Supply Chain Management, CRM, Customer Relationship Management, e Business e outras. O que é Workflow ? n É um processo que permite distribuir uma ou mais tarefas para um grupo de pessoas ou um usuário único. n É o termo utilizado para descrever um processo criado para atingir uma meta específica. n Define QUEM realiza QUAIS tarefas e em QUAL ORDEM de execução.

            Tecnologia Workflow n Controla e Gerencia Processos n Garante que a tarefa foi executada pela pessoa correta no tempo determinado n Organiza os trâmites, prazos, sincroniza pessoas, tarefas e documentos

            Alguns Aspect os Importantes sobre Workflow  Homogeneidade da Informação  Agilidade (FH como diferencial competitivo)  Objetivo Único  Indicadores por Processo

            Ferramenta de TI para Workflow Genericamente

            , pode-se dizer que uma ferramenta de Workflow contempla todos os processos, pessoas e organizações envolvidas para direcionar informações que entram e saem da empresa. Exemplo Workflow Exemplo Workflow

            Processos Básicos de e-Commerce Processos Básicos de e-Commerce

            ●

            M odelo de fluxo de trabalho

          • – Representa os conjuntos predefinidos de regras de

            ● Notificação do Evento :

            neg•cios, os pap‰is dos acionistas, os requisitos de

          • – A maioria das aplica‚†es de e-commerce ‰ formada por autoriza‚ƒo, as alternativas de rumos, os bancos de dados sistemas que respondem a uma grande variedade de eventos.

            utilizados e a seq‘Œncia de tarefas necessˆrias para cada processo de ecommerce.

          • – Os processos de notifica‚ƒo de evento desempenham um importante papel nos sistemas de e-commerce: ● Clientes, fornecedores, funcionˆrios e outros parceiros de neg•cios da empresa devem ser notificados sobre todos os eventos que possam afetar sua situa‚ƒo numa transa‚ƒo.

            Processos Básicos de e-Commerce Processos Básicos de e-Commerce ● Pagamentos Eletrônicos e Segurança ● Colaboração e comércio:

          • – Preocupa‚†es com pagamentos eletr•nicos e seguran‚a
          • – Processos de e-commerce que ap•iam os arranjos de incluem: colabora‚ƒo e os servi‚os de com‰rcio de que os clientes,

            ● A natureza eletr•nica quase an•nima das transa‚†es fornecedores e outros parceiros de neg•cios da empresa que ocorrem entre os sistemas de computadores em precisam para efetuar transa‚†es de e-commerce. rede de compradores e vendedores e as quest†es de seguran‚a envolvidas.

            ● O processo de pagamento no com‰rcio eletr•nico ‰ complexo devido • ampla variedade de alternativas de d‰bito e cr‰dito e institui‚†es financeiras e intermediˆrios que podem participar do processo. 33 ● Existe um grande n•mero de diferentes sistemas 34 eletr•nicos de pagamento.

            Pagamento Eletrônico e Sistemas de Segurança

            Sistemas de transferência eletrônica de fundos Aula 13

          • – Electronic Funds Transfer (EFT) ● ‰ uma forma importante dos sistemas de pagamento

            Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de: eletr•nico nos setores bancˆrios e varejista.

            Conhecer Pagamentos e TransferŒncias ● Sistemas de micropagamento

          • – algumas dessas tecnologias emitem recibo eletr•nico ou

            Eletr•nicas de Fundos

            dinheiro digital, •s vezes chamado de dinheiro eletr•nico,

            Conhecer as Aplica‚†es do Com‰rcio Eletr•nico

            para fazer pagamentos pequenos demais para o uso de cartƒo de cr‰dito.

          • – T‰cnicas de criptografia e de autentica‚ƒo sƒo utilizadas para gerar seq‘Œncias de dados que possam ser manuseados
          • – Compras online na Internet: as informa‚†es de cartƒo de cr‰dito do cliente estƒo sujeitas • intercepta‚ƒo por sniffers de rede, softwares que reconhecem facilmente os formatos dos n•meros dos cart†es de cr‰dito.
          • – Medidas essenciais de seguran‚a estƒo sendo utilizadas para resolver esses problemas de seguran‚a: ● Criptografar (codificar e embaralhar) os dados que vƒo do cliente ao comerciante. ● Criptografar os dados que vƒo do cliente para a empresa que autoriza a transa‚ƒo por meio do cartƒo de cr‰dito ● Conseguir as informa‚†es confidenciais offline.
          • 38 Fatores de Sucesso no e- Commerce

              ●

              Pagamentos eletrônicos seguros

              ●

              Varejo na Internet (e-tailing)

            • – Fato bˆsico: todos os websites de varejo sƒo criados de modo igual no que tange ao imperativo “localiza‚ƒo” para seu sucesso em vendas.
              • - Alguns fatores-chaves para o sucesso incluem: ● Seleção e Valor

              : sele‚†es de produtos atraentes, pre‚os competitivos, garantias de satisfa‚ƒo e suporte ao cliente ap•s a venda. ● Desempenho e Serviço : navega‚ƒo, sondagem e compra rˆpidas e fˆceis, e remessa e entrega imediatas. ● Aparência e impressão : loja na Web, ˆreas de compra do website, pˆginas do catˆlogo multim€dia de produtos e caracter€sticas de compra atraentes.

            37 Pagamento Eletrônico e Sistemas de Segurança

              Alguns fatores-chaves para o sucesso incluem:

              ● Propaganda e incentivos : propaganda dirigida nas pˆginas da Web e nas promo‚†es por e-mail, descontos e ofertas especiais e propaganda em sites associados. ● Atenção pessoal : Pˆgina da Web pessoais; recomenda‚†es personalizadas de produtos, not€cias por e-mail e propaganda na Web, suporte interativo. ●

            • – espa‚os de mercado no lado da oferta. Hospedam um importante fornecedor, o qual estabelece os pre‚os e as ofertas de catˆlogo. ● Exemplos: a Cisco.com e a Dell.com.
            • – espa‚os de mercado no lado da demanda. Atraem muitos fornecedores que se agrupam para oferecer um neg•cio a um grande comprador. ● Exemplos: a GE ou a AT&T.
            • – espa‚os de mercado de distribuição . Importantes

              Relações comunitárias

              : comunidades virtuais de clientes, fornecedores, vendedores de empresas e outros, por meio de grupos de not€cias, salas de bate-papos e links para sites semelhantes ● Segurança e confiabilidade : seguran‚a de informa‚†es do cliente e na transa‚†es do website, confiabilidade de

              Fatores de Sucesso no e-Commerce Um para M uitos:

              

            M uitos para Um:

              Espaços de M ercado de Sucesso no e-Commerce

            • – mercados de leilões utilizados por muitos compradores e vendedores que podem criar uma multiplicidade de leil†es de compradores e de vendedores no intuito de otimizar decididamente os pre‚os. ● Exemplos sƒo a eBay e a FreeMarkets

              41

              ● Alguns para M uitos:

              fornecedores fundem seus catˆlogos de produtos para atrair um p•blico maior de compradores.

              ● Exemplos: VerticalNet e Works.com

              ● M uitos para Alguns: – espa‚os de mercado de abastecimento .

              Importantes compradores que fundem seus catˆlogos de compra para atrair mais fornecedores e, em conseq‘Œncia, maior concorrŒncia e menores pre‚os. ● Exemplos: a Covisint no setor automobil€stico, e a Pantellos, no de energia.

              Espaços de M ercado de Sucesso no e-Commerce

              42 Espaços de M ercado de Sucesso no e-Commerce M uitos para M uitos:

              Resumo

              Aplicações do Com ér cio Elet rônico Ao adquirir um a aplicação web para o com ércio elet rônico um em preendedor deve decidir ent re duas opções: 1 ) Aplica çã o Pr on t a : j á são pront as e ut ilizadas por m ilhares de client es, apenas são feit os aj ust es de acordo com a necessidade de cada client e. Para um a em presa adquirir um a aplicação web pront a cust a em t or no de oit o m il reais, o t em po é só para im plant ação, aj ust es e t est es. Est as são m ais ut ilizadas por pessoas que não t rabalham com program ação, apenas t em conhecim ent o em inform át ica e acesso a int ernet . Tem os com o exem plo UOL ( www.uol.com .br ) , LocaWeb ( www.locaweb.com .br ) , Mecado Livre ( www.m ercadolivre.com .br ) e out r os.

            • O e-Commerce abrange todo o processo online de desenvolvimento, marketing, venda, entrega, atendimento e pagamento de produtos e servi‚os.
            • As categorias bˆsicas de neg•cios e as plataformas de tecnologia para locais de mercado de e- Commerce ompreendem: B2C, B2B, C2C.
            • Muitas empresas de e-business estƒo procurando oferecer portais de servi‚o completo de e- Commerce dos tipos B2C e B2B apoiados por processos integrados focados no cliente e por redes de suprimentos interconectadas.

              2 ) Aplica çã o Pe r son a liz a da : n€o tem nem projeto, s€o feitas “sob- medida” sob um estudo realizado na empresa. O custo da personalizada vai para 40 mil reais, sendo necessƒrio de 4 a 5 meses para o desenvolvimento, mais o tempo de testes e ajustes necessƒrios.

              Aula 14 Uma diferen„a que muitas vezes confunde o empreendedor na hora de montar a sua aplica„€o al…m do pre„o, … que a aplica„€o pronta jƒ

              Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de: foi testada jƒ sabe atrair o cliente, jƒ a personalizada pode n€o ter o mesmo sucesso e desempenho e quanto maior funcionalidade tiver a aplica„€o pronta ou personalizada, mais cara ela serƒ. Tamb…m deve

              Conceitos Básicos de governança ser considerado o custo do projeto para aquisi„€o do sistema, hardware, hospedagem da loja, que geralmente varia de 25 a 30

              O Alinhamento Estratégico e elaboração do reais dependendo do provedor. A manuten„€o do dom†nio de 30 a 50 reais mensais e o seguro do site se usar cart€o de cr…dito, este

              Portfólio em TI depende do fornecedor, mas geralmente … em torno de 295 reais. No momento que o servi„o … contratado deve-se questionar o fornecedor ou desenvolvedor da aplica„€o sobre manuais e suporte ao usuƒrio, principalmente o horƒrio de atendimento. 45 46 Assuntos

              1. Governança Corporativa

              2. Governança em TI

              Governança Corporativa

              3. Normas e Padrões de TI

            • O conceito de Governan‚a Corporativa tornou-se fundamental para as empresas de capital aberto principalmente ap•s casos de esc…ndalos financeiros de grandes corpora‚†es. Alguns destes esc…ndalos envolviam fraudes realizadas em conjunto com empresas de consultoria e auditoria.
            • Cada vez mais os investidores exigem transparŒncia na gestƒo financeira e mecanismos de monitoramento e controle das decis†es estrat‰gicas dos altos executivos, pois aqueles procuram meios de responsabilizar os executivos pelas suas decis†es e resultados obtidos.
            • A Governan‚a Corporativa come‚ou tra‚ando regras e padr†es de relacionamento entre os acionistas e a alta administra‚ƒo.
            • Percebemos que o conceito de governan‚a estˆ se expandindo e, al‰m do mecanismo de controle objetivo dos acionistas, come‚a a agregar outros processos que visam implementar ‰tica, transparŒncia e maior n€vel dos controles internos em todas as ˆreas da organiza‚ƒo, transcendendo assim os limites da gestƒo financeira e da negocia‚ƒo das a‚†es na bolsa de valores e passando a “abra‚ar” a empresa toda.

            49 Hist•rico

              50 Evolu‚ƒo da Governan‚a

              Elementos da Governan‚a

            • Propriedade (sócios) – estabelece claramente as regras sobre direito de voto, abrangŒncia e limites da influŒncia dos proprietˆrios na organiza‚ƒo.
            • Conselho de Administração – ‰ um grupo de pessoas eleitas cuja principal responsabilidade ‰ proteger e valorizar o patrim•nio e maximizar o retorno do investimento, agindo assim no interesse dos proprietˆrios, monitorando e controlando os executivos.
            • >As empresas de capital aberto sƒo compulsoriamente conduzidas a implementarem a governan‚a.
            • Os proprietˆrios acionistas exigem a adequa‚ƒo da organiza‚ƒo •s novas regras pois as vantagens com rela‚ƒo a diminui‚ƒo do risco estrat‰gico sƒo sens€veis.
            • O mercado tamb‰m oferece incentivos interessantes. Como exemplo podemos citar o Novo Mercado, criado pela Bovespa – SP.<
            • Gestão – estabelece diretrizes para o papel do presidente (CEO – Chief Executive Officeer).
            • Auditoria Independente – a atribui‚ƒo bˆsica ‰ verificar se as

              demonstra‚†es financeiras refletem adequadamente a realidade da sociedade.

            • Conselho Fiscal – ‰ parte integrante do sistema de governan‚a das

              organiza‚†es pois tem como objetivos fiscalizar os atos da administra‚ƒo, opinar sobre quest†es importantes e informar os s•cios.

            • Código de Conduta e conflito de interesses – a organiza‚ƒo deve possuir

              um c•digo de conduta que responsabilize administradores e funcionˆrios Governan‚a no Brasil • A Governan‚a no Brasil estˆ crescendo significativamente.

              SOX - Sarbanes-Oxley (2002) Tipo de empresas Lei criada nos Estados Unidos para aperfeiçoar os controles

            • O conceito de Governança Corporativa surgiu para suprir •

              financeiros das empresas que possuem capital na Bolsa de necessidades inerentes às empresas de capital aberto. Nova York;

              No entanto, é evidente que os benefícios da implantação da • governança são visíveis nos próprios resultados organizacionais, Esta lei veio em decorrência dos escândalos financeiros das

            • tangíveis (financeiros e outros) e intangíveis (aumento dos níveis

              empresas Enron, Worldcom e outras que pulverizaram as de controles internos, transparência na gestão, etc.) economias pessoais de muitos americanos.

              Por esta razão, outros tipos de organizações começam a implantar • Uma das premissas da Sox é que as empresas demonstrem

            • os conceitos da governança em sua prática de gestão (ex.: eficiência na governança corporativa.

              empresas de capital fechado, governos, fundações e organizações não governamentais).

              53 54 Basiléia II Basiléia II

            • Busca-se nesse acordo exigir uma maior „nfase no
            • A quebra de institui€‰es financeiras, nos Šltimos pr•prio controle interno dos bancos, em seus anos, em decorr„ncia da falta de controle de processos e modelos de administra€•o de riscos, no suas posi€‰es, fez com que o risco operacional processo de revis•o do supervisor, e na disciplina ganhasse import‹ncia.

              do mercado.

            • A partir dessas crises os bancos e gestores,
            • O acordo, apesar das reconhecidas dificuldades na para evitar preju…zos, passaram a trabalhar com sua implementa€•o, delineia-se como um a identifica€•o do risco operacional.

              instrumento relevante no esfor€o para aumentar a seguran€a e a solidez do sistema financeiro

            • A alternativa encontrada foi Œ reformula€•o do Basil‚ia I e a estrutura€•o de um Novo Acordo mundial. de Capitais, o Basil‚ia II (2004).

              TI para a Governança Corporativa

              O que não se controla, não pode ser

            • controle das informações digitais da empresa, devendo desenhar processos de controle das aplicações para assegurar a confiabilidade do sistema operacional, a veracidade dos

              A área de TI deve cobrir todos os aspectos de segurança e gerenciado.

              Primeira premissa quando queremos falar dados de saída e a proteção de equipamentos e arquivos. sobre Governan€a de TI.

              CIOs:

            • – rever todos os processos internos cobrindo desde as

              Sem controle, n•o pode haver qualquer tipo de

              metodologias de desenvolvimento de sistemas até as áreas gerenciamento. de operações de computadores.

            • – promover conscientização nas áreas usuárias de seus recursos sobre os aspectos de segurança e cuidados na manipulação das informações, tais como: e-mails,

              Governan•a em TI: o estabelecimento de altos compartilhamento de diretórios nos PCs, compartilhamento n‚veis de controles internos, transparƒncia e „tica de senhas de acesso aos aplicativos, etc. 58 57 no “governo” da informa•‡o corporativa.

              Estruturar a Governança em TI Controles Internos

              (gestão de TI) O COSO define que o controle interno é um processo e

            • deve ser exercido por todos os níveis da empresas. Os processos devem ser desenhados para atingir aos
            • seguintes objetivos:

              Preparar um conjunto estruturado de processos ,

              (1) efetividade e eficiência na operação;

            • responsabilidades e controles entre as diversas

              (2) dar confiabilidade nos relatórios financeiros; e, –

              áreas que formam a área de

              Tecnologia da (3) atender as leis e regulamentações dos órgãos –

              Informação , tais como, suporte, operação, rede, públicos. O COSO ( organização privada criada nos EUA em 1985 para prevenir e evit ar fraudes nas ® Com m it t ee of Sponsoring Orga niza t ions of t he Trea dw a y Com m ission ) é um a desenvolvimento, etc.

            • Responsabilidade sobre o “governo” da informa‚ƒo corporativa transcende a ˆrea de TI:
              • – “Governan‚a em TI busca o compartilhamento de decis†es de TI com os demais dirigentes da organiza‚ƒo, assim como estabelece as regras, e os processos que nortearƒo o uso da TI pelos usuˆrios, departamentos, divis†es, neg•cios da organiza‚ƒo, fornecedores e clientes...(Fernandes, 2006)”

              Processos Responsabi lidades

              Controles

              Tecnologia da Informa€•o: suporte, opera€•o, rede, desenvolvimento, etc. 62 Governan‚a em TI

            61 Governança em TI

              Governan‚a em TI

              Ciclo da Governan‚a de TI

            • Como a TI deve prover os servi‚os para a empresa:
              • – Garantir o alinhamento da TI ao neg•cio - estrat‰gias e objetivos;
              • – Garantir continuidade do neg•cio contra interrup‚†es e falhas (manter e gerir as aplica‚†es e infra-estrutura de servi‚os);
              • – Garantir o alinhamento da TI a marcos de regula‚ƒo externos como Sarbanes-Oxley (SOX) e Basil‰ia II e a outras normas.

              >Alinhamento Estrat‰gico;
            • Decisƒo, compromisso, prioriza‚ƒo e aloca‚ƒo de recursos;
            • Estrutura, processos, opera‚†es e gestƒo; • Medi‚ƒo do desempenho.
            alinhamento das estratégias de negócio com TI, ou seja, a clara percepção de TI do que o negócio "espera" de seu desempenho, e do desenvolvimento de processos e controles efetivos.

              O primeiro passo não é adoção de uma metodologia, mas sim conhecer os próprios riscos, controles e processos: começar com um bom diagnóstico, que permita identificar cada um dos itens citados. 66 Diagnóstico

            65 Modelo de Governança: capaz de permitir o

              Diagnóstico

              que forma TI está relacionada com a Alta Administração? Possui uma Vice Presidência dedicada, capaz de interagir com seus pares, entendendo suas necessidades? Ou seu CIO está subordinado a alguma outra Vice Presidência? Participa em algum momento dos comitês de tomada de decisão? Independentemente da estrutura existente, TI deve ter uma visão clara do que o negócio precisa, em qual a velocidade que necessita trabalhar, pois caso contrário, podemos encerrar neste momento, pois não teremos sucesso nenhum.

              2) Papéis e Responsabilidades em TI - Neste momento entendemos quem faz o que e quando, para que possamos efetivamente, ao redesenhar os processos, alocar as funções e responsabilidades nos locais adequados. Algumas organizações redesenham os processos após alocar as responsabilidades e funções, mas fica uma dúvida, para que você discuta em sua organização: Caso exista erro na segregação de funções definida, meus processos já não estariam comprometidos já em sua concepção? Não seria melhor desenhar os processos e depois verificar quem irá executar tais funções evitando uma segregação inadequada de funções? Creio que seja algo para se pensar.

            1) Relacionamento de TI com a Alta Administração - De

              5) Identificação dos riscos inerentes em cada processo

            3) Mapeamento de todos os processos existentes - O

            • Tudo aquilo que possa comprometer o neg•cio, ou seja, quanto trabalhamos formalmente? Temos fluxo de todos os devemos relacionar em cada processo quais riscos processos? Como documentamos nossos trabalhos? Ao poderiam comprometer o seu funcionamento e de que t‚rmino deste diagn•stico devemos ter de forma bem clara o forma isto impactaria o neg•cio, seja por perda de receita, que necessita ser formalizado.

              comprometimento da imagem, etc.

              6) Mapeamento dos controles existentes que mitigam os riscos inerentes identificados - Ap•s o t‚rmino do 4) Análise critica destes processos - Vamos testar sua levantamento de todos os processos e relacionar todos os qualidade? Que tal envolver a auditoria? A anŽlise cr…tica deve riscos inerentes, devemos mapear os controles existentes ser capaz de propor modifica€‰es nos processos, desde sua em cada processo, este passo ocorre em paralelo com o extin€•o, substitui€•o ou modifica€•o. mapeamento de processos e sua anŽlise cr…tica. Nesta fase verificamos se os controles existentes realmente suportam as necessidades dos processos e conseq•entemente do 69 neg•cio. 70 Governança na prática

            • preparação de um diagnóst ico que possibilit e t omada de decisão com relação a invest iment os, cont rat ação de

              Sugest ão: adoção de um modelo de simples execução para

              Erros comuns: consult orias, desenho ou redesenho de processos e principalment e mit igando os riscos.

              Seja qual for o mét odo adot ado, os gestores deverão sempre • ter consciência que a Governança de TI será um exercício permanent e de uso das melhores prát icas de operação, desenvolviment o, gest ão e, principalment e, de est rat égias de realização, disposição, bom senso e conheciment o do negócio.

              

            Erros comuns: Mapeamento das necessidades

            • Elaborar um modelo de governan‚a de TI envolvendo s• tecnologia: governan‚a de TI ‰ um assunto corporativo;
            • Tentar fazer tudo de uma •nica vez: mudan‚a de cultura, processos e tecnologia; • Estabelecer um modelo de governan‚a baseado em solu‚†es.

              Ap•s o diagn•stico: qual ‰ o pr•ximo passo? Ferramenta ‰ s• um facilitador, um habilitador tecnol•gico para algo acertado anteriormente;

            • Iniciar a estrutura‚ƒo de um modelo de governan‚a como se fosse uma “nova onda”; • Se isolar ou tentar reinventar a roda.
            • 73 74 Situa‚†es comuns: Aula 1
            • Nƒo tenho metodologia de desenvolvimento - Neste caso pode-se utilizar o para apoio no desenvolvimento de uma metodologia;

              CM M Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de:

            • Nƒo tenho nenhuma

              metodologia e controle para identificação e em meus projetos - O poderˆ apoiˆ-lo gerenciamento de riscos PM I neste caso;

            • Nƒo estƒo formalizados os processos de Governança em TI - O
              • O Hardware e o Software para implanta‚ƒo da

              poderˆ auxiliar no desenvolvimento de controles e COBIT governan‚a em TI; formaliza‚ƒo de tais rotinas;

            • Nƒo tenho - O poderˆ auxiliar no

              gestão de serviços

              ITIL

            • Gestƒo de desempenho de opera‚†es e

              desenvolvimento do processo, dos controles e da formaliza‚ƒo de servi‚os de TI; tais atividades;

            • O processo de

              gerenciamento de mudanças nƒo produz os resultados esperados, sendo necessˆrio redesenhar - O e o

              COBIT

              ITIL poderƒo auxiliar no redesenho;

            • ISO 149977 (ou a BS-7799) para a gestão de segurança da

              Padrões e Gestão de TI

            ISO,COBIT, ITIL

              78 International Organization for Standardization - ISO

              Os EUA estão representados na ISO pela ANSI - • American National Standards Institute . O Brasil está representado na ISO pela ABNT -

            • Associação Brasileira de Normas Técnicas (Cont rol Object ives for Informat ion and relat ed Technology)

              CobiT

              A ISO foi criada no ano de 1947 em Genebra, Suíça é • uma entidade não governamental.

              ISO é um prefixo grego que significa igual. •

              Ferrament a eficient e para auxiliar o gerenciament o e cont role das iniciativas de TI;

            • • Guia para a gest ão de TI recomendado pelo ISACA; • Independe das plat aformas de TI;

              er en cia m en to d e Se rv o s D es en vo lv im en to A d e p lic õ es G er en cia m en to P d e ro je to s P la n eja m en to d e TI

              I TI L ASL BS 15000 O que é ?

              Strategy CMMi

              I SO Six Sigma TSO - I S

              BS 7799 PMI

              COSO Sarbanes- Oxley Outros

              Se gu ra n ça In d a fo rm ão Sis te m as Q d e u ali d ad e

              COBIT M odelos de Auditoria Sistemas de Qualidade &amp; M odelos de Gerenciamento G

            • Gerência;
            • Usuários; - Audit ores.

              Operações de TI

              Gerência de Serviços Posição Relativa dos M odelos de Processo mais Comuns

              ITIL CM M (i) Gerência de Desenvolvim ent o

              COBIT

              Est rat égia Medidas &amp; Cont roles At ividades

              Definição

              Governança de TI É uma est rut ura de relacionament os e processos para dirigir e cont rolar a organização no at ingiment o dos objet ivos dest a organização, adicionando valor, ao mesmo t empo que equilibra os riscos em relação ao ret orno da TI e seus processos.

            • • Projet ado para auxiliar t rês audiências dist int as:

            O que ‰ ? Hist•ria

            • 1996 – Primeira versƒo;

              1998 – Segunda versƒo. Adicionado o guia prˆtico de implementa‚ƒo e • execu‚ƒo.

            2000 – Terceira versƒo: - Implementou o guia de GerŒncia.

            • ITGI (IT Governance Institute) primeiro a publicar o framework (Customizado).

              Objetivo Conclusƒo

              COBIT ‰ um conjunto de controles que possibilitam a adequa‚ƒo da • Gerenciamento da Informa‚ƒo; ˆrea de tecnologia das empresas dentro do contexto corporativo, com • o seu crescimento sustentado e planejado.

              Pesquisar, desenvolver e promover um conjunto de objetivos de • O COBIT ‰ uma ferramenta que auxilia a empresa a definir e alcan‚ar • controle para uso cotidiano de administradores e auditores; os objetivos de maneira eficiente, ou seja, minimizando os riscos e ampliando a lucratividade.

              Servir como um guia abrangente para usuˆrios, auditores, gestores e • donos de processos de neg•cios; Procura atestar como cada processo faz uso dos recursos de TI para • atender de forma primˆria ou secundˆria cada requerimento do neg•cio em termos de informa‚ƒo, cobrindo todos os seus aspectos;

              ITIL – O que ‰ ? Information Technology Infrastructure Library (ITIL)

              

            alert_scroll_top) { if (allow_redirect){ $('#alert_redirect').modal(); allow_redirect = false; } } }); new Tether({ element: '#ads_relative_document', target: '#ads_no_2', attachment: 'top left', targetAttachment: 'bottom left', constraints: [{ to: 'window', pin: ['top'] }], targetOffset: '20px 0 0 0' }); } ); function redirect_document(element) { if (alert_close_redirect){ var link = $(element).data("link"); window.open(link, "_blank"); } } // window.reset_opacity = 0; // $( window ).scroll(function() { // clearTimeout(window.reset_opacity); // $( "#float_control" ).css({opacity:1}); // setTimeout('$( "#float_control" ).attr("style","");', 2000); // });